Notícias

The Chimpanzee & Me, de Ben Garrod: realista e esperançoso

Postado em 01/04/2020


Resenha de livro por Alyson Baker *

Em “The chimpanzee & Me”, o primatologista e radialista Ben Garrod relaciona suas experiências com os chimpanzés. As histórias são contadas por contos do primeiro chimpanzé por quem ele se apaixonou – Pasa, no santuário de chimpanzés da ilha de Ngamba, em Uganda – e cobrem a biologia e a situação dos chimpanzés, focando principalmente nos do Liberia Chimpanzee Rescue and Protection (LCRP), um santuário estabelecido por Jenny e Jimmy Desmond.

“Vi algo tão profundo naqueles olhos” – uma resposta típica daqueles cujos primeiros encontros com chimpanzés os comprometem a trabalhar pela  sua sobrevivência. O que há de tão maravilhoso em “The Chimpanzee & Me” é a maneira respeitosa que Garrod fala sobre os chimpanzés – todos eles são indivíduos com suas próprias identidades, personalidades, temperamentos e comportamentos. Ele não minimiza o poder deles como animais selvagens – inclusive descrevendo e exemplificando quando ele era uma potencial presa de chimpanzé em uma floresta de Uganda. E ele não esconde nada ao falar sobre os problemas que os chimpanzés enfrentam como espécie, todos criados por nós: “uma espécie engraçada e às vezes egoísta” – os chimpanzés estão sendo “extirpados, não perdidos. Eles estão sendo sistematicamente mortos por várias razões. ”

Garrod descreve a proximidade genética e evolutiva de humanos e chimpanzés, sugerindo de brincadeira que deveríamos ser Pan sapiens ou Pan troglodytes sapiens, ou eles deveriam ser Homo trogloditas. Ele aborda os argumentos contra essa proximidade familiar e aconselha: “você pode não ser tio (ou tia) de um macaco, é primo de um chimpanzé”. Ele então se volta para as ameaças aos chimpanzés, primeiramente falando sobre a destruição do habitat. Há apenas um século, suas florestas eram abundantes, mas esses lugares “que deveriam ter sido seguros” estão diminuindo e estão sob constante ameaça.

Mesmo que a destruição pare, há desafios enfrentados pelos santuários que aspiram a um dia devolver os indivíduos à natureza. Muitas das habilidades destes animais que pensamos serem inatas, são de fato aprendidas dentro de uma comunidade de chimpanzés selvagens, onde chimpanzés e bebês aprendem através da experiência, participação, imitação, comunicação e inovação. Entre na “Escola Chimpanzé”. Garrod aconselha o número máximo de seis por turma – “Mais do que isso e você estará correndo atrás daqueles que preferem pegar uma borboleta ou que realmente precisam subir em uma árvore agora”.

Além da destruição do habitat, os chimpanzés são levados para o comércio de animais de estimação e carne de animais selvagens. Garrod tem o cuidado de explicar as complexidades dessas práticas horrendas – com os autores locais frequentemente sendo apenas o nível mais baixo em um mercado internacional de larga escala – de caçadores locais a consumidores domésticos. E as estatísticas que ele recita para o comércio internacional de animais silvestres e sua carne são horríveis, assim como o potencial desse comércio para permitir o surgimento de novas doenças zoonóticas. Ele fala de fazer parte de uma operação de confisco na Libéria e de encontrar um chimpanzé acorrentado a uma árvore por treze anos – o tempo que ele trabalhava com chimpanzés.

Os resultados da dizimação das populações e do crescente isolamento das populações remanescentes devido à destruição do habitat estão levando a problemas de diversidade genética. Ele fala de uma longa história de abuso na África, onde destruímos comunidades e modos de vida que nunca sabíamos que existiam – ele estava falando sobre comunidades humanas, mas isso também é aplicável aos chimpanzés. Talvez o capítulo mais difícil de ler seja o que fala sobre o uso de chimpanzés em pesquisas médicas. Ele fala da estratégia “fora da vista, fora da mente” do Ocidente – localizando seus laboratórios em países onde os regulamentos não são tão rigorosos, e os resultados terríveis. Ele descreve de maneira arrepiante a entrada em um centro de pesquisa no Caribe. E ele, infelizmente, conta a história de Samantha na Libéria – e eu desafio você a não chorar enquanto lê. Garrod mais uma vez aponta a complexidade – ele é contra testes em animais, mas não se recusaria a usar as intervenções médicas resultantes quando um ente querido estiver em jogo.

“The Chimpanzee & Me” inclui uma entrevista com Jane Goodall e uma ótima seção sobre estratégias de conservação e como elas mudaram ao longo dos anos. Ele fala das espécies ‘carro-chefe’ e ‘guarda-chuva’ e postula que o chimpanzé é a referência do que os humanos estão dispostos a salvar. Ele fala sobre como cada projeto de conservação deve ser focado localmente e como isso torna cada um diferente – até dois projetos de conservação de chimpanzés diferem de acordo com as situações locais. Os projetos não devem apenas incluir as comunidades humanas locais, mas também devem estar atentos às necessidades e desejos dos chimpanzés: “nunca devemos olhar para algo como inteligência apenas da nossa perspectiva”.

“The Chimpanzee & Me” é uma visão geral completa dos chimpanzés, sua singularidade, suas ameaças e aqueles que trabalham para salvá-los. É lindamente ilustrado, principalmente com fotografias coloridas dos bebês no LCRP. É brutalmente honesto sobre a terrível situação em que os chimpanzés estão, mas também inclui histórias esperançosas, como os jovens ativistas climáticos que venceram sua tentativa de reflorestar uma colina sagrada na República Democrática do Congo e os “soldados com AK-47” que acabaram ajudando-os. Uma contribuição maravilhosa para a literatura popular sobre chimpanzés.

The Chimpanzee & Me, de Ben Garrod – London: Head of Zeus, 2019

* Alyson Baker é bibliotecária em Nelson, na Nova Zelândia. Ela sempre se interessou pela vida selvagem e está chocada não apenas pelo caminho rápido previsto para a extinção de tantos animais, mas também pelo modo como muitos deles são tratados, especialmente os chimpanzés, nossos parentes mais próximos. Alyson foi voluntária no Santuário de Chimpanzés da Ilha Ngamba, em Uganda em 2017. Ela retornou a Ngamba em 2018 e também observou chimpanzés no Parque Nacional de Kibale, e está planejando voltar ao santuário e visitar a Reserva Florestal de Budongo no próximo ano.