Notícias

O Reencontro de CACO com seu Pai Humano

Postado em 18/10/2002


No dia 09 de outubro passado, aconteceu um reencontro cheio de emoções e lágrimas no Santuário do GAP. Caco foi isolado de seu pai humano há mais de três anos, quando tinha 12 anos de idade. Durante estes anos viveu isolado em dois Zoológicos e começou a exibir alterações comportamentais, auto-mutilando-se nas pernas, há cada certo tempo, como uma forma de chamar a atenção dos humanos que tomavam conta dele.
Caco dificilmente será um Chimpanzé totalmente normal no futuro, ele sente-se mais humano que Chimpanzé e procura o convívio conosco de forma intensa e constante. O pai humano de Caco, que o criou praticamente como um filho, andando com ele de mãos dadas por sua fábrica, por seu mini-zoológico e em seu carro, em um momento confrontou-se com a enorme força de Caco e seu temperamento que as vezes ele não entendia. Ele e sua família decidiram doar Caco à um Zoológico, pensando que lá estaria melhor e talvez voltasse a ser plenamente um Chimpanzé.

De um Zoológico a outro, onde foi transferido, eles perderam a pista de Caco e também informação sobre o seu estado de saúde. Algo falava na mente do seu pai humano que Caco não estava bem, que sua vida estava em perigo. Quando decidiu procurar por ele intensamente, Caco já não estava mais em um Zoológico, estava no Santuário do GAP. Finalmente o encontrou. Recebemos sua ligação em que manifestou o desejo de visitá-lo e o seu pedido tornou-se mais urgente, quando soube da terrível tragédia de Caco e de duas tentativas falidas de suicídio. No dia 09 de outubro passado, ele e sua esposa encontraram-se finalmente com o filho perdido, e a emoção tomou conta do Santuário. O grito de alegria de Caco, já familiar a nós, quando se interage com ele, foram constantes, e durante horas, através da tela ambos – o pai humano e o filho chimpanzé – falaram a língua que entre eles – só eles – sabem.

O pai humano de Caco nos confessou seu profundo arrependimento por ter se desligado de Caco. Porém, essa experiência nós também já tivemos, com menos intensidade que ele e sabemos o que significa. O importante é que Caco sabe que seu pai humano não o abandonou e voltará a vê-lo com freqüência, como também tem a nossa companhia, com quem já desenvolveu uma profunda relação de amizade.