Notícias

O Darwin de nosso tempo

Postado em 06/12/2022


J.M. Bermudez

Por Pedro Pozas Terrados (Projeto GAP Espanha)

Em 9 de outubro de 2022, na Real Academia Espanhola, na presença de todos os acadêmicos e autoridades em ciências, conhecimentos e artes, assim como na de vários políticos, José María Bermúdez de Castro Risueño, tomou seu lugar no K, com um discurso intitulado “Natureza, cultura e evolução”, o primeiro proferido na RAE. Com uma profunda determinação em suas palavras, proferidas de forma aberta e clara, ele nos mostrou o grande parentesco que temos com as duas espécies de grandes primatas/símios mais próximas aos humanos, os chimpanzés e os bonobos.

Muitas das pessoas ali presentes rolaram os olhos e outras se moveram em seus assentos no que estava sendo dito. Palavras nunca proferidas em um ato acadêmico de tamanha importância e ditas por um grande cientista, Co-Diretor das Montanhas de Atapuerca, declarado Patrimônio Mundial, Prêmio Príncipe das Astúrias, escritor, paleontólogo, biólogo, descobridor do homo antecessor e também conselheiro científico do Projeto dos Grandes Primatas.

Ele nos deu uma lição de humildade e nos fez descer de nosso trono antropocêntrico, comparando muitas de nossas capacidades cognitivas com as dos grandes símios e anunciando de forma clara e contundente que estamos a apenas um sopro deles. 

Ele esclareceu que: “Linnaeus classificou primeiro os seres humanos junto com os símios no grupo da Antropomorfa, não encontrando nenhuma diferença orgânica distintiva que nos colocasse em um lugar privilegiado”. Depois de muitas críticas de muitos de seus contemporâneos, “…que não podiam aceitar macacos como criados à imagem e semelhança de Deus”, em sua décima edição Linnaeus teve que criar a ordem dos primatas na qual os humanos seriam incluídos. O nome não foi escolhido ao acaso”, diz-nos José María, “porque em latim primus significa o primeiro ou o principal”, embora, no entanto, continuou a compartilhar sua classificação privilegiada com os antropóides macacos, também conhecidos como grandes símios. “Linnaeus nunca deixou de ser criticado por sua ousadia em considerar que os seres humanos deveriam ser tratados como apenas mais uma espécie entre os milhares que ele foi capaz de descrever e nomear”, conclui José María.

Ele explicou ao público, alguns dos quais estavam perplexos, que a cultura é um corpo de conhecimento que permite a alguém desenvolver um julgamento crítico, de acordo com o dicionário acadêmico: “Para a grande maioria de nossa espécie, a cultura nos torna humanos e nos diferencia de outros primatas”. Ele então compara nossas diferenças físicas com os chimpanzés: perdemos a maior parte de nosso pêlo, somos bípedes e nosso cérebro triplicou de tamanho, entre outros traços. José María continua em outra de suas frases: “Mas há apenas algumas décadas, a genômica provocou uma mudança na classificação dos seres humanos e dos antropóides macacos. Compartilhamos uma porcentagem tão alta de nossos genes com os chimpanzés, próxima a 99 por cento, que não faz sentido continuar insistindo em classificá-los em uma categoria taxonômica diferente da nossa própria. As espécies Pan paniscus (bonobos), Pan troglodytes (chimpanzés) e Homo sapiens fazem agora parte da mesma categoria taxonômica: os hominins,…”.

Diante deste claro apelo na própria casa da Real Academia Espanhola por um grande cientista, o Darwin de nosso tempo, que está sentado na Academia, expressou que: “neste sentido, as duas espécies de chimpanzés são nossa referência obrigatória e em termos evolutivos estamos separados deles por um suspiro temporal”.

Para este fim, ele apresentou ao público uma série de qualidades que compartilhamos juntos em nossos caminhos evolutivos. Antes dos ouvintes cada vez mais surpresos, ele explicou que a RAE considera que: “a política é a atividade daqueles que governam ou aspiram a governar os assuntos públicos”. José María explicou que “…humanizamos a política considerando-a como uma arte e a elevamos à categoria de doutrina”. Bem, os chimpanzés também praticam política”. Houve gargalhadas e olhares recíprocos na audiência. Frans B.M. de Waal, professor da Universidade Emory em Atlanta, EUA, nos ensinou muito sobre como os homens alfa conseguem e mantêm seu poder. Não é a força que é indispensável, mas as alianças entre os homens que permitem que um deles lidere. Aqueles que o ajudarem receberão tratamento especial: “Talvez uma espécie de suborno? Elas também ganham o apoio das fêmeas se beijarem sua prole. E José María diz: “Não temos observado um comportamento semelhante entre os humanos que aspiram a ganhar uma eleição presidencial? Mais uma vez houve risos e acenos de cabeça.

José María continuou: “As alianças entre homens e mulheres podem mudar de acordo com as circunstâncias do momento. Como isso soa? Mesmo nas democracias mais bem estabelecidas dos diferentes povos da terra, o partido político não é nada mais que uma representação do macho alfa, já que aqueles que pertencem a esse partido se comportam como uma unidade. Alianças, intrigas, enredos, etc., são parte da atividade política. Não há diferenças qualitativas entre nós e a espécie Pan troglodytes. Nós inventamos quase nada, mesmo que nossos métodos sejam diversos e muito mais sofisticados”.

Sua voz é clara e concisa, apoiada por sua experiência e seus longos anos de pesquisa e pesquisa sobre a evolução humana, e ele vê claramente que os chimpanzés e bonobos são um verdadeiro reflexo de nós mesmos e compartilham o mesmo ancestral comum dentro da linhagem da família hominídea.

Também refletia a territorialidade de nossa espécie, um comportamento que tem sido transmitido através da filogenia humana através dos tempos, assim como os chimpanzés, que enquanto eles se limitam à alimentação, fazemos adições daquelas matérias primas que nos permitem aumentar o que chamamos de produto interno bruto. Criamos conflitos armados, diz Bermúdez de Castro perante a RAE, ou discursos cheios de falácias e argumentos que nem sempre são bem fundamentados. Os chimpanzés, em suas patrulhas em seus territórios, também praticam violência contra outros grupos da mesma espécie. Os bonobos, entretanto, são mais pacíficos e evitam conflitos com saudações e abraços. Nos chimpanzés, a hierarquia é exclusiva para os machos. Nos bonobos, esta hierarquia recai sobre as fêmeas.

Metacognição, este grande cientista que desembarcou na Academia continua a nos dizer, parece ser uma forma superior de pensamento que envolve um alto nível de consciência. Ela permite, por exemplo, gerenciar processos cognitivos simples em um processo mais complexo e desenvolver suas próprias estratégias para um melhor aprendizado. É uma capacidade dos seres humanos de refletir sobre seus próprios pensamentos. Bem, os chimpanzés e outros antropóides também têm metacognição, como foi comprovado em inúmeros estudos publicados em prestigiosas revistas científicas.

Da mesma forma, José María continua em seu discurso, temos um senso de mortalidade e consideramos este traço como exclusivo de nossa espécie. Mas foi demonstrado que os padrões de comportamento dos chimpanzés são exatamente os mesmos que os nossos, apoiados por estudos como os realizados pela primatologista Alexandra G. Rosati, da Universidade de Michigan. Eles cultivam a amizade a fim de serem protegidos quando envelhecem: “Tudo parece indicar que o afeto pessoal entre dois seres humanos vem de tempos tão remotos que chegou também aos chimpanzés”.

Bermúdez de Castro prosseguiu dizendo que outro aspecto cognitivo que também consideramos exclusivo de nossa espécie, como o senso de justiça, também foi observado em chimpanzés e bonobos, antes de um silêncio sepulcral na sala, onde os acadêmicos pareciam estar em um daqueles debates em que Darwin e seus colegas se envolveram e que o desqualificaram para anunciar nossa aproximação com os grandes símios. Frans de Wal os observa há anos e descobriu que eles também têm empatia, seguem à risca as regras sociais do grupo e têm um senso muito claro de justiça na partilha de recursos. As fêmeas freqüentemente medeiam quando as brigas se desenrolam entre dois machos. As fêmeas foram observadas desarmando um macho para evitar prejudicar outro macho. Os chimpanzés adultos também têm sido vistos reagindo com indignação quando vêem outro espécime prejudicando um jovem. Este é um comportamento adaptativo em favor não do indivíduo, mas do grupo como um todo. “Esta é a própria essência da moral humana”, José María esclareceu com ímpeto e determinação.

Nosso Darwin da Academia continuou seu discurso afirmando que podemos acrescentar à lista uma série de características que compartilhamos com chimpanzés e bonobos. Por exemplo, tanto eles como nós rimos em voz alta e sorrimos em certas situações. Muitas das expressões faciais que representamos em emojis bonitos também estão presentes nos rostos dos chimpanzés quando expressamos emoções diferentes. Aqui alguns na sala também sorriram de acordo com as palavras do novo acadêmico.

Em seu discurso revelador, José María deixou claro que os chimpanzés preferem comida cozida: “Se eles tivessem conseguido dominar o fogo, como fizemos há menos de um milhão de anos, estou convencido de que estes primatas cozinhariam sua comida antes de comê-la”. Ele também se referiu à sua impressionante memória fotográfica, sem esquecer de mencionar Kanzi o bonobo, que dominou até 200 unidades lexicais e seu significado correspondente, pode compreender frases gramaticais simples e comunicar-se com facilidade com seus cuidadores e seu ambiente humano. Kanzi também é um verdadeiro especialista na fabricação e uso de ferramentas de pedra: “Se aceitarmos que costumes e tradições fazem parte do que entendemos por cultura, então vale a pena discutir a possibilidade de que este conceito possa ser aplicado a chimpanzés e talvez a outros primatas.

Já existem numerosos estudos científicos que não deixam dúvidas de que a cultura, como o conceito é entendido hoje, não é propriedade dos humanos, mas de grandes símios, outros primatas e até mesmo de outras espécies. José María explica: “Os especialistas suspeitam que existem cerca de 40 tradições exclusivas adquiridas socialmente pelos chimpanzés, que poderíamos considerar como um tipo de cultura incipiente nestes primatas” e afirma categoricamente que: “Acredito sinceramente que a rejeição absoluta do determinismo biológico não pode implicar a negação de que somos apenas mais uma espécie na biosfera, com nossa correspondente dotação genética”.

José María terminou seu grande apelo no próprio centro da Casa da Cultura e diante das pessoas, muitas das quais ficaram surpresas com suas declarações, com uma grande crítica à nossa espécie, que se acredita ser única e, no entanto, nos tornamos hostis até mesmo a nós mesmos. Estamos nos afastando da natureza ou simplesmente negando a necessidade imperativa de manter um equilíbrio razoável com o meio ambiente. Já estamos pagando um preço alto por isso. […] Devemos aceitar que a complexidade cultural criou um ambiente hostil até mesmo para as próprias espécies que a criaram. […] Espero e desejo que muitas mentes competentes unam suas capacidades para criar uma entidade superior capaz de propor um modelo totalmente diferente do atual”.

O magnífico discurso de José María perante a Real Academia da Espanha, sede da cultura e perante numerosos acadêmicos e cientistas, tornou muito clara a mensagem de nosso parentesco com os grandes símios. Em vista disso, a sociedade em geral, os cientistas de diferentes ramos e o próprio governo devem repensar seriamente o tratamento abusivo que nós, humanos, tratamos nossos irmãos evolutivos, trancando-os em jaulas para o prazer e os negócios das empresas de entretenimento, cortando sua liberdade e sua cultura, deixando-os isolados como adesivos sem vida, pois perdem todo o sentido para suas vidas. Mesmo como muitos estudos sugerem, o chimpanzé e o bonobo também deveriam se tornar membros de nosso próprio gênero “Homo”.

Uma lei é certamente necessária para proteger os hominídeos não humanos da barbaridade de mantê-los presos, onde muitos deles permanecem com sérios problemas psicológicos. Não é cultura para nossos filhos levá-los a um lugar onde são comercializados. Não é cultura vê-los deitados em suas instalações, entediados, sem nada para fazer, porque tudo lhes é dado. Não é cultura rir das graças dos seres que sofrem o cativeiro, seres dos quais, como ouvimos nas palavras de José María, apenas um leve suspiro temporal nos separa. Não é cultura ver o resto dos seres vivos em gaiolas ou ver golfinhos e orcas presos em pequenos presídios aquáticos, forçando-os a fazer acrobacias que não se adequam ao seu estilo de vida.

As palavras proferidas com grande solenidade por José María, o Darwin de nosso tempo, deveriam nos fazer mudar nosso comportamento, abrir os olhos e mostrar nossa empatia com todas as espécies, mas em particular com aquelas mais próximas de nós. As Nações Unidas devem promulgar seus direitos básicos e devem ser declaradas pela UNESCO como patrimônio vivo da humanidade para que possam seguir seu caminho evolutivo paralelo ao dos humanos, sem que tenhamos que explorá-los, prendê-los ou destruir suas populações. Seria verdadeiramente um grande passo para retomar nossa vida com a natureza e o início de ver nosso ambiente e seus seres vivos como parte indiscutível da própria existência da humanidade.

Assista ao vídeo do grande discurso de José María Bermúdez de Castro no youtube.

Leia mais (em espanhol): https://elpais.com/cultura/2022-10-09/bermudez-de-castro-paleoantropologo-y-academico-de-la-rae-los-chimpances-tambien-practican-la-politica.html