Notícias

Em memória – Rufus: 1966-2020

Postado em 02/05/2020


(Save the Chimps)

Do Santuário Save the Chimps

É com pesar que informamos a morte de um dos membros mais emblemáticos e amados de nossa família STC: Rufus.

Mas também é hora de se alegrar. Rufus está finalmente completamente livre. Graças a você, ele passou suas últimas décadas no sol da Flórida, cercado por uma família grande, barulhenta e amorosa.

Ele passava os dias ao sol, comendo comida fresca, brincando com os amigos. Agradecemos a você e à visão de nossos co-fundadores Jon Stryker e Dr. Carole Noon.

Queríamos compartilhar um pouco sobre Rufus e não conseguimos encontrar uma maneira melhor do que compartilhar algumas palavras do diário da Dra. Noon, datado de 2006. Hoje também podemos lembrar o aniversário da morte da Dra. Noon em 2009.

Só podemos esperar que ela esteja em algum lugar cumprimentando Rufus e perguntando se ele quer cócegas.

16 de junho de 2006

A entrada do Diário de hoje à noite é sobre Rufus.

HISTÓRICO

Quando assumimos o laboratório Coulston, Rufus morava no prédio 300, o prédio que eu imediatamente comecei a chamar de Dungeon. Não foi exagero – é exatamente o que foi. O Dungeon é uma série de 24 gaiolas em cada lado de uma passarela central.

A única iluminação vinha das luzes fluorescentes do teto até colocarmos as luzes noturnas e depois as clarabóias.

Cinqüenta e quatro chimpanzés viviam no Calabouço – quase todos sozinhos. Antes de nós colocarmos as portas entre as gaiolas adjacentes, os chimpanzés só podiam ver os chimpanzés que viviam do outro lado do corredor, não os que estavam vivendo ao lado e ouvindo todos esses anos.

Nos outros quatro edifícios, os chimpanzés viviam em grupos masculinos ou femininos, com cerca de 5 ou 6. E tinham gaiolas maiores. Então passei a maior parte do meu primeiro ano no Novo México trabalhando no Calabouço, tentando torná-lo habitável para os chimpanzés e seguro para os humanos que trabalhavam lá.

MAIS SOBRE RUFUS

Como os outros sobre os quais escrevi antes – Ron, Bobby, Tami e Tarzan – encontrei Rufus em uma caixa de cimento no Calabouço naquele primeiro dia. Ele nasceu na África, passou uns 40 anos no laboratório, e ele era tão doce e alegre, dada a sua existência patética todos esses anos. Eu descobri que Rufus sente cócegas. Quando você cutuca os lados ou o pescoço com um abaixador de língua, ele ri alto.

Às vezes, quando eu passava pela gaiola muito ocupada para parar, olhava para ele e dizia “vou fazer cócegas em você, Rufus” e cutucava meus dedos na direção dele. Isso fez Rufus rir também. Ele é tão amável.

Quando começamos as apresentações, transferimos o Rufus para o edifício 800. Queríamos tirar Frieda do grupo de mulheres com quem ela vivia, pois estava sendo intimidada por elas e queríamos tirar Rufus da masmorra. Esperávamos que eles fossem bons amigos. Bem, eles se conheceram e, embora Frieda certamente assumisse a liderança imediatamente, eles se tornaram amigos.

Em seguida, queríamos apresentar Rufus e Frieda a Kay e Gerro, dois dos bebês mais velhos que tinham cerca de quatro anos na época. Decidimos que Rufus conheceria os ‘bebês’ primeiro e começamos com Gerro.

Tivemos dificuldade em separar Kay e Gerro. Eles estavam muito próximos naquela época. Gerro estava infeliz e choramingando em todos os aspectos e então abrimos as portas entre Rufus e Gerro. Gerro estava apavorado. Eu não esperava uma resposta tão extrema do rapaz. Temendo traumatizar Gerro, eu estava pronta para fechar as portas pelo menor motivo.

POR QUE EU AMO RUFUS

Rufus enfiou a cabeça pela porta da gaiola onde Gerro estava sentado na plataforma, gritando. Gerro poderia ter fugido, mas acho que ele estava sobrecarregado. Rufus poderia ter corrido pela porta aberta, mas ele se sentou na porta sem entrar na gaiola de Gerro. Isso me deixou chocada – Rufus entendeu claramente o medo de Gerro. Eu acho que isso se chama compaixão.

Quando um chimpanzé quer brincar, há um sorriso (o que é chamado de cara de brincadeira) que acompanha o convite. O convite muitas vezes inclui bater um pé ou mão no chão, balançando a cabeça na direção do outro, mas quase sempre inclui o ‘sorriso’.

Sabe aqueles caninos assustadores que os chimpanzés têm – os longos? Os caninos no topo são maiores que os do fundo. Então, se você quer brincar e está batendo no chão com o pé e quer ter certeza de que o outro cara recebe sua mensagem, você ‘sorri’ cobrindo seus caninos superiores assustadores com o lábio superior expondo apenas os dentes inferiores.

Sentado ao lado da porta aberta, Rufus bateu com o pé no chão, um gesto clássico de jogo, e sorriu. Gerro gritou em resposta. Isso também não foi perdido para a Rufus. Rufus cobriu os dentes inferiores com o lábio inferior. Ele estava tentando parecer menos assustador, eu acho. Caro Rufus, parecia um velho cujas dentaduras estavam ensopadas em um copo ao lado da cama.

A paciência de Rufus com Gerro valeu a pena e eles começaram a jogar. Acontece que Frieda simplesmente não se dava bem com Kay e Kay vive em outro grupo agora. O restante do grupo de Rufus, incluindo Frieda e Gerro, chegará no final deste mês. Os chimpanzés não sairão para a ilha até que todo o grupo esteja reunido.

Então vamos abrir as portas e ver o que eles fazem. Espero que Rufus passe pela porta aberta, explore mais espaço do que ele teve em 40 anos, suba em todas as árvores e plataformas à vista e volte para o jantar cansado e talvez um pouco queimado pelo sol. Quero tudo isso para Rufus, Frieda e Gerro e para todas essas pessoas mais que merecedoras.

Hoje à noite servi o jantar para os recém-chegados. Eu apertei meus dedos em Rufus e ameacei fazer cócegas nele. Ele riu. Ele se comportou mal no jantar e roubou comida dos outros como um valentão. Mas eu ignorei o comportamento dele porque nessa noite Rufus está na Flórida. Ele está fora do Calabouço e a um milhão de milhas do laboratório. Nesta noite, meu coração não poderia ter cantado mais alto.

 

Estima-se que Rufus tivesse 36 anos quando foi resgatado em 2002, já se aproximando de seus anos mais antigos. Ele viveu outros dezoito anos, cercado de amor, no santuário. Por isso, somos gratos.

Junte-se a nós em homenagem à memória da Rufus com um presente para o nosso Board Match Challenge.

https://salsa4.salsalabs.com/o/50957/p/salsa/donation/common/public/?donate_page_KEY=14507&killorg=True