Notícias

Em memória da Dra. Carole Noon

Postado em 02/05/2021


(Save the Chimps)

Do Santuário Save the Chimps

Doze anos atrás, na data de hoje, a fundadora do Save the Chimps, Dra. Carole Noon, faleceu de câncer no pâncreas em sua casa na propriedade do Santuário. Ela continua sendo uma inspiração para todas as vidas que ela tocou e um motivador para continuar seu importante trabalho. Mais de 300 chimpanzés encontraram a aposentadoria pacífica e digna que merecem, graças ao trabalho incansável da Dra. Carole Noon e ao Save the Chimps.

Gostaríamos de compartilhar o que ela chamou de “Diários do Chimpanzé de Carole Noon”. Essas cartas aos funcionários eram sempre cheias de humor e charme, enquanto ela atualizava a todos sobre os últimos acontecimentos no Santuário.

23 de agosto de 2007

Prezados,

Na semana passada abrimos as portas para o último grupo chegar à Flórida. Antes dos primeiros membros deste grupo deixarem o Novo México, começamos a chamá-los de grupo de Sally. Precisávamos encontrar uma maneira de nos referirmos a eles uns com os outros e no site. Por quase um mês, o lindo rosto de Sally foi a primeira coisa que você viu quando entrava no www.savethechimps.org. Enquanto isso, de volta à Flórida, ainda nos referíamos ao local onde Sally mora agora como a “Ilha Nova”.

Fiquei impressionada com todas as mudanças nos chimpanzés que chegaram; Larry, antes socialmente inepto, agora é apenas mais um membro da gangue; a querida Reba, que cresceu nos horrores de 300 (o prédio dentro do laboratório famoso por pequenas jaulas escuras sem janelas ou espaço externo) ouvindo Nuri gritar todas as noites estava agora na Flórida e parecia tão bem e quando Geraldine passou de 50 para 20? Boa tentativa, pessoal, enviar dois meninos grandes no lugar do pequeno Luke e Braeden, mas estou atrás de vocês e quero aqueles dois bebês de volta.

As pessoas ficaram me perguntando, depois que Sally e o primeiro grupo chegaram: “Como vamos chamar a ilha deles?” Eu respondi “Não sabemos ainda, pois o nome irá evoluir quando todos chegarem aqui.” E é exatamente isso o que acontece. Às vezes pode chegar um grupo, como o de Lou ou o de Rufus, e nada muda e o nome está certo e é assim que chamamos a ilha. Mas não se esqueça das plataformas de escalada personalizadas na ilha de Doug, completas com trilhos para deficientes físicos. Tudo foi projetado especialmente com Doug em mente. Doug estava por toda a ilha e, embora ele já tenha partido, ainda a chamamos de ilha de Doug e suspeito que sempre o faremos.

Quando o grupo de Ron se mudou para a Flórida, por um período de vários meses, chamamos aquela ilha de ilha de Ron até que Alice entrou em cena. Vocês se lembram de Alice como a tímida, mas se você tivesse tido contato com ela entenderia porque agora é chamada de ilha de Alice. Seu novo poder confirmava o nome e estávamos todos com muito medo dela para sugerir o contrário!

De volta ao grupo de Sally. Os últimos seis chimpanzés chegaram, apesar do caminhão roubado, na semana passada. Demos a eles um dia para se reencontrarem e depois abrimos as portas da ilha. Não apenas abrimos as portas e deixamos os chimpanzés saírem todos de uma vez – os chimpanzés saem em pequenos grupos de três ou quatro em um curto período de tempo. Spanky estava no primeiro grupo – a porta foi aberta e Spanky foi o primeiro a chegar. Ele tinha aquele olhar confuso que muitos chimpanzés têm naquele momento. Parece algo como “Por que essa porta está aberta, é um erro, o que fazemos agora?” Spanky parou de fazer perguntas e saiu pela porta. Pela primeira vez em seus 21 anos de vida, não havia teto sobre sua cabeça.

Carlos estava no segundo grupo que deixamos sair. Carlos nasceu na África há cerca de 40 anos e morava sozinho em 300. Abri a porta da ilha novamente e Carlos e dois outros chimpanzés correram para frente. Por uma fração de segundos, estou falando uma fração de segundos, eles hesitaram e ficaram olhando pela porta aberta. Então Carlos fez seu movimento. Ele educadamente deu uma cotovelada nos outros dois chimpanzés enquanto abria caminho pela porta. Acho que o ouvi dizer algo como “Desculpe, pessoal, mas estou esperando por isso há mais de 40 anos”.

E com isso, Carlos saiu do prédio. Ele disparou pelo pátio, galopou pela ponte de terra e correu pela ilha. Abrimos mais portas e todos os chimpanzés saíram. Alguns permaneceram no pátio, mas muitos exploraram a ilha. No final do dia, ouvi um telefonema no rádio avisando que Carlos não viria jantar. Você pode imaginar – Carlos está definindo os limites desta vez? Carlos fez valer sua reivindicação e paramos de perguntar como chamar esta ilha.

Eu sei exatamente quais passos todos nós precisamos dar para tornar esses finais felizes uma realidade, incluindo o trabalho duro em cada ponta, os contratempos e as vitórias. Nada do que fazemos está perdido em mim. É preciso uma equipe, uma equipe realmente GRANDE abrangendo não menos de dois estados, para conseguir isso. E é preciso chimpanzés com mais coração e coragem do que posso imaginar.

Eu não poderia estar mais orgulhosa de todos nós.

Carole Noon

Clique aqui para saber mais e doar para o Save the Chimps