Notícias

Chimpanzés selvagens estão reduzidos a “guetos florestais”

Postado em 20/06/2019


© AFP/File | ROB ELLIOTT

por Marlowe HOOD

Paris (AFP) |

Todas as quatro subespécies do grande primata africano estão ameaçadas de extinção, com pelo menos uma – o chimpanzé ocidental – diminuindo em número de indivíduos em mais de 80% em três gerações.

Quarenta especialistas em chimpanzés de todo o mundo – com uma experiência combinada de 300 anos de campo – lançaram um apelo coletivo para salvar o único animal cujo DNA se sobrepõe a humanos em 98%.

“Ao longo das décadas que temos trabalhado com comunidades de chimpanzés selvagens,  todos nós vimos nossos grupos de estudo ficarem isolados”,  disse o grupo em um comunicado. “Chimpanzés estão sendo reduzidos a viver em guetos florestais”.

A principal ameaça para os chimpanzés e outros grandes mamíferos é a perda de habitat.

A África ainda tem grandes extensões de savana e floresta intactas, mas essas áreas estão encolhendo rapidamente devido às cidades em crescimento, à mineração, ao desmatamento e à agricultura industrial.

Estima-se que a população humana do continente, de mais de 1,2 bilhão de pessoas, dobre até a metade do século, e possa chegar a quatro bilhões até o final do século.

Três das subespécies de chimpanzés chegam a aproximadamente 1000 indivíduos e os chimpanzés orientais, encontrados principalmente na República Democrática do Congo, somam cerca de 250 mil. Os chimpanzés ocidentais já foram exterminados em Burkina Faso, no Benim, na Gâmbia e, possivelmente, no Togo.

“Quarenta anos atrás, nós dirigimos 100 quilômetros em uma estrada de terra para alcançar os limites do parque enquanto encontramos chimpanzés e elefantes”, disse Christopher Boesch, professor do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig, Alemanha, referindo-se a o Parque Nacional Tai na Costa do Marfim.

“Hoje em dia, você precisa alcançar os limites do parque para ver o primeiro trecho da floresta.”

Último antepassado comum

A invasão humana e a caça de chimpanzés por “carne de animais selvagens” também alteraram a vida social e o comportamento dos animais, disse Crickette Sanz, professora associada da Universidade de Washington no Missouri, que trabalhou durante décadas no Triângulo Goualougo da República do Congo.

“Quando chegamos pela primeira vez na floresta de Ndoki, os chimpanzés costumavam nos aproximar com curiosidade”, lembrou ela. Agora eles se escondem.

“É sensato que eles mudaram seu comportamento – sua sobrevivência depende disso”, acrescentou Sanz.

Comparado com chimpanzés em florestas virgens,  aqueles em áreas afetadas por humanos também mostraram uma diminuição na diversidade do comportamento aprendido, de acordo com um estudo recente.

Cientistas que estudaram cerca de 150 comunidades de chimpanzés em 17 países identificaram 31 ações – incluindo quebra de nozes, extração de cupins ou formigas com ferramentas, coleta de mel, lançamento de pedras como forma de comunicação – que foram feitas de forma diferente de um grupo para outro.

Quanto mais os seres humanos escavavam o meio ambiente – construindo estradas, cortando árvores, estabelecendo plantações de óleo de palma -, mais uniformizadas se tornavam essas ações.

O último ancestral comum de humanos e chimpanzés viveu cerca de sete milhões de anos atrás.

“Nós não evoluímos de bonobos ou chimpanzés, mas compartilhamos com eles uma ancestralidade comum”, disse Martin Surbeck, primatologista do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, também em Leipzig.

O famoso antropólogo Irven DeVore certa vez ficou maravilhado com a indiferença da humanidade em relação aos nossos primos mais próximos.

“Se nós, em nossas viagens no espaço, encontrarmos uma criatura que compartilha 98% de nossa composição genética, pense no dinheiro que gastaríamos para estudar essa espécie”, disse ele.

“Essas criaturas existem na Terra e estamos permitindo que elas se tornem extintas.”

© 2019 AFP