Notícias

A ONU quer proteger a cultura única desses chimpanzés

Postado em 12/03/2020


Tango o chimpanzé em Somoria, Guiné (CNN)

Por Rob Picheta, CNN

(CNN) A cultura única dos chimpanzés que quebram nozes foi selecionada para conservação pela ONU, marcando a primeira vez que uma atividade animal foi preservada pelo organismo internacional.

Após décadas de extensa pesquisa sobre os padrões avançados de aprendizado dos chimpanzés, a organização Convenção sobre Conservação de Espécies Migratórias (CMS) concordou em proteger a capacidade dos chimpanzés no oeste da África de quebrar nozes.

A atividade foi escolhida para conservação porque destaca a “cultura tecnológica única dos chimpanzés”, afirmou a CMS.

Os chimpanzés podem abrir diferentes tipos de nozes com pedras e pedaços de madeira, que eles usam como martelo e bigorna.

Mas esses talentos são visíveis apenas nas partes mais a oeste da área que a espécie ocupa, segundo a CMS – os chimpanzés na Guiné, Serra Leoa, Libéria e Costa do Marfim têm a capacidade, mas os de outras partes da África não.

“Esse comportamento pode melhorar as perspectivas de sobrevivência dos chimpanzés em áreas que mostram mudanças na vegetação induzidas pelo clima”, disse a CMS quando divulgou o plano para proteger a atividade em fevereiro. Foi aprovado no mês passado por delegados na conferência anual do órgão na Índia.

O movimento para conservar a cultura segue evidências de que os chimpanzés – ao lado de animais como baleias, golfinhos e elefantes – adquirem algumas de suas habilidades e atividades por meio do aprendizado social com seus pares.

A pesquisa citada pela agência incluiu o trabalho de Jane Goodall, que passou décadas estudando as interações sociais de chimpanzés selvagens.

A CMS disse que agora buscará mais dados sobre as tendências de quebra de nozes dos chimpanzés e incentivará a cobertura da mídia e a celebração do talento único dos animais.

“As descobertas sobre a cultura animal podem ser fascinantes para o público em geral, moldando suas percepções sobre a natureza dos animais envolvidos e, portanto, seu valor”, escreveu a CMS após a aceitação da medida.

A atividade dos chimpanzés foi uma das duas submetidas à consideração antes da conferência, juntamente com a cultura da baleia-esperma do Pacífico Tropical Oriental.

As baleias “diferem pouco umas das outras em seu DNA nuclear, mas suas vocalizações variam consideravelmente e só podem ser adquiridas através da interação social e do aprendizado”, afirmou a agência.

Fonte (em inglês): https://edition.cnn.com/2020/03/09/africa/chimpanzees-west-africa-un-conservation-scli-scn-intl/index.html