Notícias

Santuário de Grandes Primatas de Sorocaba, Brasil: Negociar com um chimpanzé

Postado em 29/01/2018


Lucke (Projeto GAP)

Este domingo eu estava no recinto do chimpanzé Lucke, como faço habitualmente quando estou no Santuário, e levo algumas comidas que ele mais aprecia. Enquanto ele brincava com o bolso do meu casaco, cochilei. Geralmente eu guardo as minhas chaves no bolso da calça, onde se ele tentar pegar eu acordo. Mas esta vez, por ser uma parada rápida, já que domingo trabalhamos meio período e temos que correr para cumprir todas as nossas tarefas, deixei as chaves em um dos bolsos do casaco.

Era o maior presente que lhe poderia dar. Apesar de ser remota a possibilidade dele abrir 3 diferentes cadeados, com 3 chaves de um chaveiro com 10, para ele essa existia. Quando acordei, Lucke estava tentando achar a chave que abria o primeiro cadeado, quando lhe pedi de volta, ele saiu correndo. Eu sabia que seria difícil convencê-lo. Tentei de todas as formas, mas nada adiantou. Liguei para o celular dos tratadores, que me trouxeram novas chaves, pois eu estava preso com o Lucke no recinto dele. Os cadeados estão pelo lado de dentro e vou abrindo com as chaves quando vou saindo.

Eu saí de lá, fingindo que estava bravo com ele, mas ele enfiava as chaves em qualquer buraco fingindo que estava abrindo as portas. O isolamos na parte interna, já que na parte externa, de milhares de metros, não acharíamos o molho de chaves nunca mais. Outros tratadores tentaram convencê-lo, porém ele não se desligava das chaves em nenhum instante.

No fim do expediente, voltei lá com um casaco antigo, que ele já tinha me visto usando. Entrei no recinto e lhe ofereci o casaco em troca das chaves. Ele aceitou, aí o ajudei a colocar o casaco, que é meio complicado. Como tem capuz ele gostava para usar nos dias de chuva.

Negociar com um chimpanzé – quando ele sabe que tem algo que você aprecia muito, como o caso das chaves, celulares, etc. – é uma operação de paciência. Só por algo que ele aprecia muito, estará disposto a trocar. Lucke é fascinado por roupas, desde a época em que vivia num circo, mas um casaco é mais difícil de ganhar.

As fotos mostram Lucke desfrutando do casaco, mesmo apesar do calor. Ficou andando por todo o lado se exibindo com ele.

Dr. Pedro A. Ynterian

Secretário Geral, Projeto GAP Internacional