Notícias

Projeto chinês de barragem na Guiné pode matar até 1.500 chimpanzés

Postado em 01/03/2019


As terras altas da Guiné abrigam a maior população remanescente de chimpanzés ocidentais da África. Foto: Anup Shah / Getty Images / The Guardian

Por The Guardian

Até 1.500 chimpanzés poderão ser mortos por uma nova represa chinesa que inundará um santuário crucial para os primatas ameaçados de extinção na Guiné, alertaram especialistas.

A barragem Koukoutamba, de 294MW,  será construída pela Sinohydro, a maior empresa de construção de usinas hidrelétricas do mundo, no meio de uma recém-declarada área protegida, chamada Parque Nacional Moyen-Bafing.

A empresa chinesa já enfrenta críticas semelhantes por construir uma represa na Indonésia que ameaça o único habitat conhecido de uma espécie recém-descoberta de orangotango (veja mais aqui).

Seus executivos assinaram um contrato nesta semana com representantes locais ansiosos para garantir um projeto de energia que traga energia e fundos para um dos países mais pobres da África.

A inundação de áreas do parque deverá forçar o deslocamento de 8.700 pessoas. Também aumentará a pressão sobre os chimpanzés ocidentais, que declinaram em 80% nos últimos 20 anos, e agora são considerados criticamente ameaçados – o nível mais alto de risco – pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

As terras altas da Guiné abrigam a população remanescente mais saudável da África, com cerca de 16.500 chimpanzés ocidentais. Na maioria dos outros países, esta subespécie está extinta ou perigosamente ameaçada em populações de menos de 100 indivíduos.

A reserva Moyen-Bafing foi estabelecida em 2016 como uma “compensação de chimpanzés” e financiada por duas empresas de mineração – Compagnie des Bauxites de Guinée e Guinea Alumina Corporation – em troca de permissão para abrir locais de escavação mineral dentro de outros territórios do primata.

Rebecca Kormos, uma primatologista que vem pesquisando o animal há décadas, alertou que uma represa dentro do parque teria o maior impacto que um projeto de desenvolvimento já teve sobre os chimpanzés.

“Espero que Sinohydro reconsidere a realização de um projeto que possa levar o chimpanzé ocidental à extinção. Uma vez que uma espécie vai embora, ela se foi para sempre ”, disse ela.

Ela estima que 800 a 1.500 chimpanzés morrerão como resultado do projeto, seja por terem seus habitats inundados ou como resultado de conflitos territoriais, se tentarem se mudar.

O grande primata não é a única espécie em risco. Os cientistas descobriram recentemente uma erva aquática criticamente ameaçada perto das quedas de Koukoutamba.

O plano para a represa é popular na Guiné. Mas os conservacionistas dizem que a população local não sabe que a eletricidade não será gerada para eles. “Este não é um caso da comunidade internacional colocando chimpanzés diante das pessoas. Três quartos da energia serão vendidos para os países vizinhos e o restante para a indústria de mineração ”, disse Kormos.

Quase 150 mil pessoas assinaram petições pedindo que a Guiné suspenda a construção da barragem e adote energia solar, que o Banco Mundial ofereceu para facilitar. Se a represa for adiante, os conservacionistas dizem que a Sinohydro deve se contar com biólogos para mitigar o impacto.

A Sinohydro não respondeu aos pedidos de comentário.

Fonte: https://www.theguardian.com/world/2019/feb/28/chinese-dam-project-in-guinea-could-kill-up-to-1500-chimpanzees