Notícias

Primatas cobaias: um exemplo da crueldade humana

Postado em 24/04/2017


Rebel (Save the Chimps)

Durante mais de 50 anos, centenas de chimpanzés foram torturados – sem misericórdia – em laboratórios de pesquisas biomédicas nos Estados Unidos, financiados pelo próprio Governo do país por meio do National Institute of Health (NIH), que bancava as pesquisas em conluio com multinacionais farmacêuticas.

A história de Rebel, um chimpanzé que ainda sobrevive após as barbaridades cometidas contra seu corpo e hoje mora no Santuário Save the Chimps, na Flórida, deve ser lida e relida, para que nunca mais a raça humana cometa esses crimes que lesam a humanidade.

Rebel nasceu em 1990 no Instituto Coulston (um Centro de Reprodução e Tortura no Estado de Novo México, já fechado). A sua mãe, Minnie, nunca conseguiu segurá-lo em seus braços por algumas horas. O seu pai, Sampson, tampouco sabe que ele nasceu. Quando tinha apenas dois meses de idade, já foi submetido a primeira experiência médica. Quando tinha 11 meses de idade foi colocado numa caixa de transporte e enviado a um centro de tortura em Maryland. Viveu lá por 5 anos completamente isolado. Uma vez por semana, durante todos esses anos, teve seu sangue extraído e uma agulha maldita era introduzida em seu fígado para uma dolorosa biópsia. Existe tortura maior que essa? Os profissionais que faziam isso semana após semana não sentiam nada? Não tinham a mínima compaixão de ver um ser aterrorizado aguardando a próxima agulha espetada em seu frágil corpo?

Quando tinha 6 anos foi colocado em outra caixa de transporte e enviado de volta ao Centro de Tortura do Novo México, onde tinha nascido. Após viver uma vida em isolamento, se sentiu aterrorizado quando o colocaram em outra jaula com outro chimpanzé. Ante sua reação foi tirado de lá e colocado numa jaula sozinho, durante 6 anos.

Quando o Santuário Save the Chimps assumiu o controle do Centro de Tortura, que faliu abrigando mais de 200 chimpanzés, encontrou Rebel sozinho em sua jaula. Ele já tinha 12 anos de idade.

Rebel foi para Flórida meses mais tarde e hoje vive com um grupo de chimpanzés, que também passou por experiências parecidas. São os Sobreviventes da Crueldade e Maldade Humana, a prova de que a Raça Humana – em muitos locais e situações – nunca foi Humana.

Dr. Pedro A. Ynterian
Secretário Geral, Projeto GAP Internacional



+ Notícias

Em uma operação extraordinária para devolvê-los à natureza, três gorilas-ocidental-das-terras-baixas (western lowland gorillas), espécie criticamente ameaçada, voaram para os céus [...]

11/12/2017

O trabalho do Santuário de Grandes Primatas de Sorocaba/São Paulo, afiliado ao Projeto GAP, é destaque da última edição do [...]

10/12/2017

Por Jaqueline B. Ramos * Assistindo uma série de TV sobre advogados recentemente, me surpreendi com a encenação de um [...]

07/12/2017

No final dos anos 70, um drama político de que poucos se inteiraram se desenrolou na Holanda. Yeroom era líder [...]

04/12/2017

Caninos têm mais do que o dobro de neurônios do que os felinos, diz pesquisadora brasileira Suzana Herculano-Houzel RIO – [...]

02/12/2017

A seleção natural é implacável e envolve maturidade sexual e sobrevivência da espécie A avalanche de casos de homens idosos [...]

02/12/2017

Martín, Sasha e Kangoo vivem em condições precárias; o ex-zoológico diz que a transferência é perigosa para os animais A [...]

01/12/2017

O Projeto GAP Internacional denuncia a situação de maltrato e abandono na qual se encontram os animais do zoológico Monkey [...]

28/11/2017

Duas das mais velhas chimpanzés vivendo em cativeiro no mundo morreram neste mês. No dia 15 de novembro, Little Mama, [...]

24/11/2017

Da PASA (Aliança de Santuários Africanos) Suena, chimpanzé batizado com o nome do “santuário” degradado em que morava, ficou trancado [...]

16/11/2017