Notícias

Orangotangos: Como 70.000 anos de interação humana moldaram um ícone da natureza selvagem

Postado em 27/07/2018


Photo - HUTAN/KOCP (Kinabatangan Orang-utan Conservation Programme)

A evolução do orangotango foi mais fortemente influenciada pelos seres humanos do que se pensava anteriormente, revela uma nova pesquisa

Fonte: Universidade de Cardiff (em inglês)

O professor Mike Bruford, da Universidade de Cardiff, fez parte da equipe de cientistas que lançou luz sobre o desenvolvimento das espécies criticamente ameaçadas de extinção. Suas descobertas oferecem novas possibilidades para a conservação dos orangotangos.

Um dos parentes vivos mais próximos do homem, o orangotango tornou-se um símbolo da vulnerabilidade da natureza diante das ações humanas e um ícone da conservação da floresta tropical.

Mas no artigo de pesquisa publicado na revista Science Advances, a equipe argumenta que essa visão ignora como os humanos, ao longo de milhares de anos, moldaram o orangotango conhecido hoje.

O professor Bruford, do Sustainable Places Research Institute e da School of Biosciences, que é co-autor do artigo, disse: “Esta pesquisa oferece novas esperanças de como podemos salvar o orangotango da extinção.”

“Nossos estudos mostram que os orangotangos realmente têm uma longa história de adaptação de seu comportamento para sobreviver em diferentes áreas, mesmo aquelas que foram fortemente impactadas por humanos. Isso significa que eles podem viver em habitats muito mais variados do que se pensava anteriormente.”

“É preciso haver uma abordagem multifacetada dos esforços de conservação que incorporem paisagens dominadas pelos humanos, reduzam a caça e aumentem a qualidade do habitat”.

Costumava-se supor que fatores ambientais, como a disponibilidade de frutas, eram os principais responsáveis ​​pela maioria das características dos orangotangos modernos, como o fato de que eles geralmente vivem em baixas densidades e têm uma distribuição geográfica restrita.

Mas o estudo indica que o orangotango que existia antes dos humanos modernos e chegou ao sudeste da Ásia há 70 mil anos pode ter sido bem diferente.

A principal autora, Stephanie Spehar, professora associada de antropologia da Universidade de Wisconsin Oshkosh, disse: “Nossa síntese de evidências fósseis, arqueológicas, genéticas e comportamentais indica que as interações de longo prazo com os humanos moldaram os orangotangos de maneiras bastante profundas”.

Essas criaturas já foram muito mais difundidas e abundantes, com dentes de orangotango entre os restos de animais mais comuns em depósitos na China, Tailândia e Vietnã. Eles resistiram a muitas mudanças ambientais e podem até ter vivido em uma variedade maior de ambientes do que suas contrapartes modernas.

Hoje, o orangotango só é encontrado nas ilhas de Bornéu e Sumatra.

Estudos das espécies que vivem em habitats fortemente impactados por seres humanos, como plantações de dendê e silvicultura, destacam que os macacos podem se adaptar para sobreviver nessas áreas, pelo menos a curto prazo.

Sempre se assumiu que os orangotangos eram em sua maioria arbóreos, mas as armadilhas fotográficas na floresta mostraram que eles também caminham extensivamente no solo em algumas áreas. A equipe está pedindo que essas descobertas sejam aplicadas aos esforços de conservação imediatamente.

O Professor Bruford acrescentou: “Embora muito esforço já tenha sido feito para entender o orangotango ameaçado, este último estudo mostra que muito trabalho ainda precisa ser feito para garantir que as estratégias de conservação sejam tão robustas e abrangentes quanto possível. Somente então teremos uma luta contra a chance de impedir que esse animal incrivelmente importante seja eliminado. “