Notícias

Operação Beagles e o dia D

Postado em 12/11/2013

20131107 BeaglesFechamento
Divulgação

No século XVIII, o filosofo inglês Jeremy Bentham disse: “Existirá um dia em que o resto da criação animal adquirirá aqueles direitos que nunca lhe poderiam ter sido retirados senão pela mão da tirania”. Desde tempos imemoriais, a tirania humana vem retirando direitos dos mais fracos, que historicamente já foram mulheres, negros, judeus, crianças, homossexuais e hoje, graças a um forte especismo, voltamos nossas garras contra os animais. Vejamos o comunicado oficial do Instituto Royal sobre o fechamento de sua unidade em São Roque, com pequenas alterações (destacadas):

“Em assembleia geral extraordinária realizada entre seus associados, o Terceiro Reich, por meio de seu Führer, vem a público informar a decisão de interromper definitivamente as atividades de pesquisa em judeus, realizadas em seu laboratório de Auschwitz.

Tendo em vista as elevadas e irreparáveis perdas e os danos sofridos em decorrência da invasão realizada no último dia 06 de junho de 1944 – com a perda de quase todo o plantel de judeus e de aproximadamente uma década de pesquisas -, bem como a persistente instabilidade e a crise de segurança que colocam em risco permanente a integridade física e moral de seus colaboradores, os associados concluíram que está irremediavelmente comprometida a atuação do Terceiro Reich para dar continuidade à realização pesquisa científica e testes mediante utilização de judeus.

Por este motivo, o Führer decidiu encerrar suas atividades na unidade de Auschwitz.

A interrupção acarretará o desligamento de funcionários …

Desde 1934, o Terceiro Reich realiza testes pré-clínicos com vistas ao desenvolvimento de medicamentos para o tratamento de doenças como câncer, diabetes, hipertensão, epilepsia entre outros. Com essa decisão, interrompe-se o trabalho do único campo de concentração laboratorial da Europa capacitado e regulamentado para exercer este tipo de pesquisa. ….

Todos os testes desenvolvidos no laboratório de Auschwitz atendiam aos princípios de boas práticas de laboratório (BLP) e também às normas para cuidados dos judeus do Terceiro Reich, estando também regulamentadas por protocolos internacionais, tais como o da Achsenmächte e da Aliança do Eixo.

O Terceiro Reich acredita que as ações violentas ocorridas no dia 06 de junho de 1944 são resultado de dois fatores complementares: as inverdades disseminadas de forma irresponsável – e por vezes oportunista – associadas à falta de informação pré-existente. As consequências dos atos advindos dessa equação resultaram não somente em prejuízo para a instituição, que fecha suas portas, mas também e mais gravemente para a sociedade ariana, que assiste à inutilização de importantes pesquisas em benefício da vida humana.

É inquestionável o direito de todo cidadão ou instituição expressar suas opiniões e propor à sociedade o debate sobre temas de interesse público. Não se pode anuir, contudo, com as atitudes de violência que cercaram os episódios envolvendo o Terceiro Reich. Uma sociedade organizada e civilizada não pode aceitar que a pesquisa científica seja constrangida por grupos de opinião que preferem o uso da força e da violência em detrimento das vias institucionais e democráticas para travar debates.

O ambiente de insegurança gerou – e continuará gerando – prejuízos para a ciência mundial, na medida em que não assegura aos cientistas um ambiente institucional adequado para o desenvolvimento de pesquisas cujo objetivo, em última análise, é o de salvar vidas. A consequência deste cenário de hostilidade é o desestímulo à fixação e permanência das melhores mentes científicas em nosso País.

O prejuízo causado ao Terceiro Reich não é mensurável. Mas é certo que o Mundo inteiro perde muito com este episódio, lamentavelmente.”

Ironias à parte, não querendo demonizar o referido Instituto, nem seus colaboradores, muito menos a pesquisa científica, somente uma sociedade completamente especista e dominada por uma epidemia de cegueira ética condicionada, que ainda a faz acreditar ser superior a todas as outras espécies, é incapaz de perceber as imensas semelhanças no discurso ora apresentado. As palavras podem ser mudadas à vontade: mulheres, negros, membros de outras religiões, homossexuais, nerds ou qualquer outro grupo humano momentaneamente mais fraco, que o sentido não será alterado. “Direitos que nunca lhe poderiam ter sido retirados senão pela mão da tirania”

Talvez tenha chegado a hora de usarmos nossa maior habilidade – que infelizmente tem sido, durante séculos, colocada como segunda pela nossa capacidade de oprimir o mais fraco, seja ele quem for, para “resolver” nossos problemas – o nosso córtex cerebral desenvolvido.

Deste modo, ao contrário do comunicado oficial do Instituto, não só o Brasil, mas toda a humanidade ganhou muito mais do que perdeu neste episódio. Mudemos nossa forma de pensar e resolver nossos problemas, libertemos também nossas mentes aprisionadas pela pseudo necessidade de impor aos mais fracos a responsabilidade de resolver nossos problemas, a maioria deles criados por nós mesmos.

Romanticamente, passo a acreditar que um mundo melhor se descortina, pois neste dia, mesmo com o atraso de dois séculos, direitos inalienáveis a todos os seres vivos, “que nunca lhe poderiam ter sido retirados senão pela mão da tirania”, foram restituídos a seus verdadeiros detentores, sejam eles beagles, macacos, coelhos ou ratos.

“Somos todos terráqueos, faça a conexão.” (Documentário “Earthlings”)

Carlos Magno Abreu

É vegetariano, quase vegano,

analista ambiental do IBAMA,

aluno de doutorado da UFF e autor do livro “O Brasil na Rota do Tráfico Internacional de Animais Silvestres – A História da Operação Boitatá e a Serpente de Um Milhão de Dólares”

http://www.amazon.com.br/Brasil-Tr%C3%A1fico-Internacional-Animais-Silvestres-ebook/dp/B00FP1P310/

http://somosunsbossais.blogspot.com.br/2013/11/operacao-beagle-e-o-dia-d.html

somosunsbossais@gmail.com

@somosunsbossais

Facebook somosunsbossais



+ Notícias

Após algumas semanas de preparação, deu-se início ao maior resgate individual que o Santuário de Primatas e Felinos de Sorocaba, [...]

21/10/2014

A Organização NEAVS, que alguns anos atrás lançou o Projeto R&R para libertar chimpanzés em laboratórios de tortura médica Norte-Americanos [...]

16/10/2014

A medida que as florestas africanas desaparecem, a uma velocidade inusitada, as comunidades de chimpanzés de vida livre ficam mais [...]

16/10/2014

Texto do Primatólogo José María Bermúdez de Castro – Assessor Científico do Projeto Gran Simio (GAP/ PGS da Espanha) Se [...]

15/10/2014

O CONCEA (Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal) é um órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) [...]

14/10/2014

Veterinária(o) para residir no Santuário do GAP em Sorocaba, enviar curriculum vitae para o e-mail projetogap@projetogap.org.br   Equipe Projeto [...]

14/10/2014

PREJUDICIAL A HUMANOS E ANIMAIS Zoológicos tentam esconder a crueldade do cativeiro por trás de uma máscara de “educação para [...]

09/10/2014

Quinze anos atrás, quando entrei no mundo dos primatas não humanos, comecei a me desiludir dos zoológicos, que até esse [...]

08/10/2014

Cinco dos candidatos recomendados por organizações ambientalistas, que divulgamos neste site dias antes da eleição do dia 5 de outubro, [...]

07/10/2014

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) transferiu nesta quarta-feira (1º) sete tigres que viviam [...]

03/10/2014