Notícias

ONG americana defende direitos humanos para chimpanzés

Postado em 18/12/2013

Jeff-chimphaven-581x350
(nonhumanrights.org)

Posted By Bruna Araujo On 16 de dezembro de 2013 @ 16:20 In Notícias | No Comments

No filme Entre a Luz e as Trevas (The Hour of the Pig, na Inglaterra, The Advocate, nos EUA), já citado na Conjur, o advogado Bartholomew Chassenee foi nomeado para fazer a defesa pro bono de um porco acusado de homicídio, em uma região da França onde, no século XV, os animais eram julgados com base nas mesmas leis que regiam os humanos. É exatamente isso que a organização americana Nonhuman Rights Project (NhRP) quer reviver: a defesa dos direitos animais em juízo, como se fossem humanos.

No início de dezembro, advogados da NhRP protocolaram na Suprema Corte de Nova York um pedido de Habeas Corpus para o chimpanzé Tommy, que poderá ter uma decisão em breve.

Segundo a petição, o chimpanzé está “preso ilegalmente” há anos em uma pequena jaula, em um velho trailer estacionado nas redondezas de Gloversville. O princípio do Habeas Corpus assegura ao prisioneiro a libertação de prisão ilegal – a que foi decretada sem causa ou provas suficientes, conforme se define, em resumo, nos EUA.

Presumivelmente, o Habeas Corpus só se aplica a pessoas. O primeiro ponto discutido na petição é exatamente esse: a condição de pessoa do chimpanzé – uma discussão que pode ser estendida para o bonobo (antes chamado de chimpanzé pigmeu), outros macacos, golfinhos e baleias, confinados por promotores de espetáculos, por exemplo.

Os advogados juntaram à petição declarações juramentadas de primatologistas, atestando que os chimpanzés possuem capacidades cognitivas complexas, como autonomia – a mais importante para determinar a condição de pessoa – e autodeterminação, consciência de si próprio, conhecimento do passado, percepção do futuro e capacidade de fazer escolhas, além de ter emoções complexas, como empatia, alegria e sofrimento. Podem solucionar operações simples da matemática melhor que alguns cidadãos classificados como “homo sapiens”. Enfim, a petição tem quase 30 parágrafos, relatando as capacidades “humanas” dos chimpanzés.

Segundo os advogados, a condição de pessoa do chimpanzé tem amplo apoio da ciência, da história e da lei – mais exatamente, da common law, da qual citam precedentes: os tribunais dos Estados Unidos, incluindo os de Nova York, já admitiram a condição de pessoa a animais domésticos, notadamente gatos, ao decidir que tinham direito à herança ou de serem beneficiários de um fundo de pensão.

Há exemplos mais estranhos de “entes” com condição de pessoa. Em 2010, a Suprema Corte dos EUA decidiu que “corporações são pessoas”, para lhes garantir o direito de gastar quanto queiram em campanhas políticas – um direito que é garantido a pessoas pela Primeira Emenda da Constituição americana. De certa forma, isso não é novidade. A Constituição do país sempre admitiu que, como pessoas, as corporações podem ir à Justiça, para processar e serem processadas.

Outro objetivo da ação da NhRP é tentar mudar o conceito de que os chimpanzés, bem como outros animais da mesma espécie ou não, são “propriedades privadas” de seres humanos. A noção corrente de propriedade inclui tanto matérias inertes quanto seres vivos. Nenhum deles têm direitos defensáveis na Justiça.

Esse é um conceito que tende a mudar. A prova disso é que, na época da escravatura, o país não reconhecia os negros como pessoas. Os escravos eram, legalmente, propriedades de seus donos. Essa parte da história americana é bem retratada no filme Django Livre, de Quentin Tarantino (2012). A trama descreve os esforços de seu protetor, Dr. King Schultz, para garantir a transferência de propriedade do herói e de sua amada, para que eles se libertassem nos conformes da lei.

Na história real, há um caso famoso de um Habeas Corpus concedido ao escravo Dred Scott, antes da Guerra Civil dos EUA. Ele entrou com uma ação em um tribunal federal para garantir sua liberdade e foi bem-sucedido. A decisão de primeiro grau foi mantida por um tribunal de recursos, mas foi revertida pela Suprema Corte do país, que lhe negou a condição de pessoa, mantendo que era uma propriedade.

Esse fato histórico é visto como um caso de injustiça social, mas também um exemplo de petição bem-sucedida de Habeas Corpus, apresentada em favor de uma “propriedade” sem “condição de pessoa”. À luz dessa história lamentável, os advogados da Nonhuman Rights Project apresentam, em sua petição, um argumento criativo: há um precedente legal para petições de Habeas Corpus, que foi concedido a um ser “não pessoa”, que era uma “propriedade”.

A partir dessa ação, a instituição promete lutar na Justiça pela libertação dos macacos, dos golfinhos, das baleias e outros tantos animais com capacidades humanas, mas que estão aprisionados – sem causa, provas e devido processo.

Fonte: Consultor Jurídico [1]

http://www.anda.jor.br/16/12/2013/ong-americana-defende-direitos-humanos-chimpanze/print/

 



+ Notícias

LUTO Em uma época em que o filme King Kong era referência em gorilas, Koko transformou a visão das pessoas [...]

21/06/2018

ÚLTIMA CHANCE Após uma vida de prisão e exploração Sumomo morre ao tentar fugir 20/06/2018 às 06:20 Por Eliane Arakaki, [...]

20/06/2018

CRUELDADE O autor do documentário, Ulrich Seidl, afirma que as bárbaras matanças de animais são sinais da degeneração da humanidade [...]

20/06/2018

AUDIÊNCIA PÚBLICA O PL que proíbe zoológicos e aquários determina que os animais sejam prioritariamente libertados no habitat ou levados [...]

19/06/2018

MAUS-TRATOS Os animais explorados pelo Dade City’s Wild Things morreram após serem transportados de forma inadequada. 19/06/2018 às 07:30 Por [...]

19/06/2018

ESTADOS UNIDOS Menos de três meses após sofrer uma lesão “horrível” em sua barbatana dorsal, Katina aparentemente já está se [...]

13/06/2018

ABUSO Em decorrência da divulgação de irregularidades no Zoológico de Sorocaba, também chamado de Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, [...]

12/06/2018

BUSCA POR LIBERDADE Um morador da cidade alertou as autoridades sobre a presença do animal em área urbana após vê-lo [...]

12/06/2018

Em homenagem ao nosso querido Guga, que nos deixou há pouco mais de uma semana, criamos uma página em nosso [...]

05/06/2018

Com um aperto no coração, Roberto Tripoli despede-se e homenageia GUGA YNTERIAN (2009-2018), esse meninão lindo, um guerreiro querido, que inspirou seu [...]

30/05/2018