Notícias

O que é preciso para descobrir uma nova espécie de grande primata?

Postado em 25/02/2019


Orangotangos machos de Borneo (esq), Sumatra (meio) e Tapanuli (dir). Image de Eric Kilby, Aiwok e Tim Laman via Wikimedia Commons (GFDL).

Geneticistas, morfologistas e cientistas comportamentais revelam a história por trás de como sua pesquisa levou à descrição do orangotango Tapanuli

Por LAUREL NEME (Mongabay)

Quando uma equipe internacional de cientistas publicou sua descrição de uma nova espécie de grande primata, o orangotango Tapanuli (Pongo tapanuliensis), na revista Current Biology em novembro de 2017, foi o auge de anos de uma pesquisa meticulosa.

A descoberta também destacou a necessidade urgente de proteger esse grande primata raro e salvar seu habitat nas florestas nas montanhas, que está encolhendo rapidamente.

A nova espécie orangotango, batizada em homenagem à região de Tapanuli, na província de Sumatra do Norte da Indonésia, tem uma população de cerca de 800 indivíduos e é encontrada apenas em uma área de 1100 quilômetros quadrados do ecossistema florestal de Batang Toru, área atualmente sendo desmatada para uma represa hidrelétrica e toda a nfra-estrutura associada.

Geneticistas, morfologistas e cientistas comportamentais conversaram com o Mongabay sobre como suas pesquisas levaram à descoberta dessa nova espécie de grande primata.

A busca por orangotangos

No final dos anos 90, o renomado primatologista holandês Herman Rijksen queria saber se havia algum orangotango nas florestas em rápida extinção da região central de Sumatra. Ele sabia, a partir de publicações escritas nas décadas de 1920 e 1930, que os símios haviam sido vistos até o sul,  como em Palembang, na província de Sumatra do Sul. Ele também sabia que os silvicultores indonésios tinham visto orangotangos selvagens mais recentemente no norte de Sumatra: na reserva florestal Sibual Buali, no Tapanuli do Sul, e também perto da saída do lago Toba, um pouco mais ao sul. Então Rijksen encarregou dois de seus alunos para verificar.

Em 1997, o estudante de pós-graduação do Rijksen, Erik Meijaard, foi para a área ao sul do rio Batang Toru e descobriu que os orangotangos ainda viviam lá, no sopé das florestas do sul da caldeira de Toba.

A existência de orangotangos ao redor da caldeira de Toba era interessante, diz Rijksen. Cerca de 75.000 anos atrás, Toba foi o local da maior erupção vulcânica dos últimos 25 milhões de anos. Sem dúvida, explodiu todas as formas de vida por quilômetros, criando um limite para muitas espécies. Por exemplo, antas e porcos barbudos são hoje encontrados apenas ao sul da caldeira. Então, Rijksen achou improvável que os primatas da área fossem uma dispersão das populações de Sumatra do Norte. Em vez disso, ele suspeitava que eram provavelmente relíquias genéticas da forma ancestral dos orangotangos.

Esses orangotangos também viviam em uma altitude maior e em um tipo diferente de floresta, comparado com as populações de Sumatra e Bornéu, que preferem se ater às florestas aluviais de baixa altitude.

Sobrevôos de helicópteros e duas grandes pesquisas de campo realizadas por equipes de pesquisa lideradas pelo primatologista Serge Wich, na época com a Universidade de Utrecht, na Holanda, confirmaram a existência de orangotangos nessa região.

Nos próximos anos, equipes de pesquisadores indonésios e internacionais trabalharam para confirmar a presença desses primatas usando flybys (coleta de dados com sobrevoos) e levantamentos em campo.

Em muitos locais em Sumatra, o que eles descobriram foi deprimente: a ausência de primatas, a pressão do desenvolvimento da mineração de ouro e outros interesses, e o cultivo de queimadas por novos moradores.

Mas em um pequeno pedaço de floresta em Batang Toru, eles encontraram primatas – o que, por sua vez, estimulou o trabalho para proteger a floresta e estabelecer uma estação de monitoramento da vida silvestre como base para estudos adicionais.

A primeira pista: Genética

As primeiras suspeitas de que os orangotangos que vivem em Batang Toru eram uma nova espécie surgiram em 2007, quando o estudante de pós-graduação da Universidade de Zurique, Alexander Nater, começou a trabalhar em seu doutorado.

Sob a orientação dos professores Carel van Schaik e Michael Krützen, Nater procurou entender melhor a estrutura populacional dos orangotangos de Sumatra. Já em 1987, Rijksen supunha que os orangotangos de Sumatra também poderiam ser divididos em subespécies diferentes. Na época, várias subespécies de orangotango de Bornéu foram identificadas, mas os orangotangos de Sumatra ainda eram considerados uma espécie. Talvez, Nater pensou, fosse “porque ninguém havia olhado de perto para sua genética.”

Para fazer isso, Nater precisava de DNA dos orangotangos de Sumatra. Ele não podia confiar em amostras de zoológicos, porque precisava saber exatamente de onde vinham as amostras e os zoológicos não conseguiam fornecer esse nível de especificidade. Como resultado, em 2008 e 2009, Nater viajou para áreas onde viviam orangotangos.

Em alguns lugares, como a estação de campo do Programa de Conservação do Orangotango de Sumatra (SOCP) de Suaq Balimbing, assistentes locais ou voluntários coletaram amostras para Nater. Em outros, Nater pediu ajuda de equipes de pesquisa locais para ajudá-lo a coletar amostras de DNA.

Encontrar amostras de DNA não foi tarefa fácil. Ele e sua equipe indonésia começaram suas buscas diárias de uma aldeia perto da floresta que poderia ser alcançada de carro ou moto. Como a densidade dos orangotangos era geralmente baixa, menos de um indivíduo por quilômetro quadrado de floresta, eles precisavam caminhar durante horas por terrenos acidentados e vegetação densa na selva.

Avistamentos de orangotangos reais eram extremamente raros. “Se tivéssemos sorte, encontraríamos algumas amostras fecais”, diz Nater. “Mas nossa principal fonte eram amostras de cabelo que encontramos nos ninhos”.

Cerca de 90% das vezes os ninhos eram muito antigos para produzir amostras utilizáveis. E, quando encontraram um ninho fresco, ele tinha que ser baixo o suficiente (abaixo de 30 metros) para alguém subir e peneirá-lo por tufos de cabelo.

Mesmo assim, diz Nater, “tipicamente, coletamos cinco ou dez cabelos em um ninho. E somente em cerca de metade desses casos conseguimos obter quantidades suficientes de DNA.”

De volta ao laboratório, Nater e a equipe analisaram o DNA mitocondrial (mtDNA), que é herdado do lado materno e é a forma mais fácil e abundante de extrair e amplificar.

Logo de cara, a equipe notou algo estranho, diz Krützen. “Os marcadores genéticos para os orangotangos de Batang Toru eram mais próximos dos orangotangos de Bornéu do que de Sumatra.”

Em vez de estar intimamente relacionado com os orangotangos da mesma ilha, como se esperava, Nater diz que eles estavam mais relacionados aos orangotangos do outro lado do mar, em Bornéu. “Não fazia qualquer sentido.”

Uma segunda pista: sequenciamento do genoma

Para descobrir o que estava acontecendo, Krützen, Nater e a equipe sabiam que precisavam conhecer a genética não apenas da linha materna, mas também da paterna. Por isso, eles não podiam usar o DNA mitocondrial, mas precisavam de DNA autossômico, que é herdado de ambos os pais e encontrado no núcleo da célula. E para conseguir isso, fios de cabelo velhos não serviam.

Em vez disso, de 2011 a 2016, eles sequenciaram e analisaram os genomas de 37 orangotangos selvagens usando amostras de sangue coletadas em centros de reabilitação em Bornéu e Sumatra. Mais uma vez, os cientistas ficaram surpresos com os resultados. O DNA mostrou três linhagens genéticas distintas: uma dos orangotangos de Bornéu, outra de Sumatra e uma terceira, que era o mais antigo: os animais de Batang Toru. Este foi o momento, disse Krützen, “sabíamos que a população [de Batang Toru] era especial”.

No entanto, embora os geneticistas suspeitassem que os orangotangos Tapanuli pudessem ser uma nova espécie, eles queriam ver se outras distinções significativas também existiam.

Diferenças Anatômicas

Entra então no circuito o cientista indonésio Anton Nurcahyo. Ele começou a estudar variações anatômicas entre populações de orangotangos geograficamente separadas usando morfometria – a análise quantitativa do tamanho e formato de crânios e ossos – para seu doutorado na Universidade Nacional Australiana.

Para detectar diferenças, Nurcahyo precisava analisar esqueletos de orangotangos e muitos deles. De 2014 a 2015, ele viajou para dezenas de museus, centros de resgate e outras instituições em todo o sudeste da Ásia, Europa e Estados Unidos para examinar espécimes. Em cada um, ele passou semanas fazendo medições detalhadas de centenas de pontos em uma variedade de ossos. Para o crânio sozinho, ele fez mais de 200 medições separadas, incluindo a largura, comprimento e posição das órbitas oculares, a linha e a altura da mandíbula e o tamanho da caixa do cérebro.

Informações sobre a origem dos espécimes eram frequentemente vagas ou incompletas. Por exemplo, Nurcahyo lembra como um museu suíço listou vários de seus crânios como provenientes do rio Kapuas, em Bornéu. Mas porque há dois desses rios – um na província de Kalimantan Ocidental e outro no Kalimantan Central, chamado Kapuas Kahayan – Nurcahyo não sabia a qual se referia. Como resultado, ele teve que entrar em contato com o grupo missionário que havia originalmente doado os crânios para descobrir. De fato, ele frequentemente tinha que cavar os diários dos exploradores para determinar exatamente onde um espécime havia sido coletado.

Por fim, Nurcahyo reuniu dados de cerca de 500 esqueletos de orangotangos. Mas nenhum deles era conhecido por ser de Batang Toru.

Enquanto isso, outros pesquisadores também procuravam por esqueletos de orangotangos confirmados como sendo de Batang Toru. Meijaard procurou museus de história natural, enquanto outra ex-aluna do Rijksen, Gabriella Fredriksson, agora coordenadora do programa Tapanuli do SOCP, sondou comunidades que viviam na área de Batang Toru. No entanto, ela teve que cuidar para garantir que ninguém confundisse seu interesse como um pedido para matar um orangotango. Fredriksson e sua equipe esconderam seu objetivo e só fizeram perguntas indiretas, como quais animais foram caçados e quais partes foram mantidas. Em algumas aldeias da Indonésia, os caçadores mantinham crânios como troféus. Mas não estes. O povo local de Batak costumava consumir todas as partes do que eles caçavam.

Ainda não havia crânio de orangotango de Batang Toru. Mas isso logo mudou.

A virada

Em novembro de 2013, o Programa de Conservação do Orangotango de Sumatra recebeu uma ligação sobre um orangotango adulto machucado nas montanhas de Tapanuli. O primata, chamado Raya por seus salvadores, estava próximo da morte por causa de múltiplos cortes causados por granadas de ar comprimido e espancamentos. Equipes de resgate levaram Raya para o centro de quarentena do SOCP para tratamento médico urgente, mas ele morreu de ferimentos oito dias depois.

Como as tentativas anteriores de encontrar espécimes de museu de orangotangos de Batang Toru haviam fracassado, “eu queria que Raya fosse preservado para estudo”, diz Matt Nowak, diretor da unidade de monitoramento de biodiversidade da SOCP. Ele instruiu o veterinário da SOCP, Yenny Saraswati, a enterrar o corpo. Dessa forma, “poderia naturalmente se decompor e ser estudado em uma data posterior na sua totalidade”.

Essa data chegou alguns anos depois, quando o SOCP descobriu a busca de Nurcahyo e o convidou para estudar o espécime nas instalações da SOCP em Medan, no norte de Sumatra. Eles descobriram e, em 2016, Nurcahyo, junto com Nowak e Colin Groves, professor emérito da Universidade Nacional da Austrália, analisaram o assunto. Armado com esses novos dados, Nurcahyo os comparou com os de outros machos adultos selvagens em seu conjunto de dados.

Os resultados foram impressionantes. Para as 39 variáveis ​​cranianas, dentárias e mandibulares (mandíbula) que ele mediu, dois terços delas estavam muito fora das faixas típicas para os orangotangos do norte de Sumatra e de Bornéu. Especificamente, o orangotango Tapanuli tinha um crânio significativamente menor e caninos significativamente maiores.

“Mesmo sendo apenas uma amostra”, disse Nurcahyo, “as diferenças eram tão grandes que se tornaram parte da história de descrever esses orangotangos.” Este crânio de Batang Toru estava tão diferente da média que nos deixou confiantes na diferença com as outras espécies.”

Enquanto os pesquisadores teriam preferido um tamanho de amostra maior, “você faz inferências com base no que você tem”, diz Krützen. “E as diferenças foram suficientes e tão grandes, poderíamos chamar de uma nova espécie.”

Hoje, os restos mortais de Raya estão alojados no Museu Zoológico de Bogor, na Indonésia. Enquanto sua morte foi brutal, na morte ele foi fundamental na identificação da nova espécie – um poderoso legado para qualquer ser senciente.

Parte 2

Novas espécies ameaçadas desde o momento de sua descoberta

Durante meses, circulavam rumores nas comunidades de conservacionistas e biólogos. Algo grande estava chegando. Então, em novembro de 2017, a bomba caiu oficialmente: os pesquisadores confirmaram a identificação de um novo grande primata, a oitava espécie viva hoje conhecida pela ciência.

O anúncio da descoberta do orangotango Tapanuli (Pongo tapanuliensis), através de um artigo de novembro de 2017 na revista Current Biology, foi o clímax de um processo de anos que envolveu várias equipes de cientistas, com cada um reunindo diferentes peças do quebra-cabeça.

No entanto, esse mesmo anúncio foi temperado com uma realidade preocupante: que um projeto hidrelétrico e outras ameaças estão rapidamente levando ao perigo de extinção.

Descoberta de Espécies

Durante anos, grupos de cientistas realizaram pesquisas sobre a genética e a morfologia dos orangotangos na Indonésia. O cientista indonésio Anton Nurcahyo e seu professor na Universidade Nacional Australiana, Colin Groves, descobriram que o orangotango Tapanuli tinha um crânio menor e caninos maiores que outros orangotangos, enquanto uma equipe liderada por Michael Krützen, da Universidade de Zürich, e Alexander Nater descobriu três linhas genéticas separadas de orangotangos: Bornean, Sumatra e Tapanuli.

Enquanto os cientistas trabalhavam separadamente mas simultaneamente, tudo começou a se reunir no encontro da International Primatological Society em Chicago em 2016, diz Matt Nowak, diretor da unidade de monitoramento de biodiversidade do Programa de Conservação do Orangotango de Sumatra (SOCP) e um dos principais autores do artigo na Currently Biology.

Nowak diz que, conhecendo o seu trabalho, ele se encontrou com o primatologista Serge Wich, depois com a Universidade John Moores, de Liverpool, na Inglaterra, Krützen, Nater e outros ao longo dessa conferência.

“A colaboração desenvolvida e todas as peças científicas se encaixaram”, diz Nowak. “Foi a primeira vez que realmente começamos a perceber que [o orangotango Tapanuli] pode ser uma nova espécie.”

Mais evidências: vocalizações

Para aumentar as descobertas do trabalho de genética e morfologia, Nowak levou o estudante de pós-graduação da University of Southern California, James Askew, a expandir sua pesquisa sobre vocalizações para incluir os orangotangos da floresta Batang Toru de Tapanuli.

“Vocalizações são muito flexíveis”, diz Askew. Muitos fatores, como meio ambiente, inovações culturais e genética, podem contribuir para variações, e é por isso que, ele diz, “você nunca escolhe uma definição de espécie apenas para vocalizações”.

Mas encontrar uma nova espécie não era do seu interesse. Askew estudou vocalizações de orangotangos desde 2011 e queria saber como elas poderiam diferir entre grupos geograficamente distintos.

Para garantir que quaisquer variações que ele descobrisse não fossem simplesmente culturais, ele decidiu se concentrar em uma vocalização que seria universal para todos os orangotangos. Então ele escolheu a longa ligação.

A longa chamada é uma série de latidos feitos por orangotangos machos sexualmente maduros. Ela é usada para atrair fêmeas impedir outros machos e também fornecer informações sobre quem chamou e o que está acontecendo na área. A chamada reverbera pela floresta e pode ser ouvida de grandes distâncias, geralmente a mais de um quilômetro de distância. Também dura muito tempo, entre 1 e 10 minutos.

“A longa chamada é uma sugestão social para chamar um companheiro, como uma canção de pássaro”, diz Gabriella Fredriksson, coordenadora do programa Tapanuli do SOCP. “Se as chamadas forem muito diferentes, uma espécie não reconhecerá a ligação uma da outra e a fêmea não reagirá. Então, em algumas espécies, se a chamada se tornar tão diferente, isso pode indicar especiação”.

Inicialmente, Askew alternava entre três locais de estudo: um na província de Kalimantan Central, outro em Kalimantan do Leste (ambos em Bornéu) e um terceiro no ecossistema Leuser de Sumatra. Em 2015, os incêndios florestais tornaram impossível para Askew retornar ao seu local de estudo central de Kalimantan. Com Batang Toru em seu radar devido a discussões com Nowak, Askew decidiu expandir sua pesquisa sobre vocalizações para incluir os orangotangos de Batang Toru.

Tipicamente, Askew e sua equipe partiam de madrugada para encontrar e registrar os orangotangos.

“Nós escutávamos o som de um orangotango mastigando frutas ou cascas, ou o som de um orangotango movendo-se através das árvores. Mas nós tivemos que nos mover devagar porque se eles te ouvissem vindo, eles se escondiam ou se afastavam. E então nós provavelmente não conseguiríamos acompanhar ”, ele diz.

O terreno acidentado de Batang Toru tornou a pesquisa ainda mais difícil, diz ele. “Andávamos subindo e descendo morros íngremes e, às vezes, perdíamos animais quando desciam em uma ravina.”

Ao longo de quatro anos em todos os locais, Askew gravou mais de 200 horas de chamadas longas. E quando ele comparou suas características acústicas, ele encontrou três chamadas distintas.

Orangotangos de Sumatra tinham chamadas que eram prolongadas e de baixa intensidade. Os orangotangos de Bornéu emitiam chamadas com duração mais curta, mas mais altas no tom. Em contraste, os apelos dos machos de Batang Toru eram mistos: longos como os orangotangos de Sumatra, mas agudos como os macacos de Bornéu.

“Foi uma boa informação adicional”, diz Askew, e confirmou o que os outros descobriram: uma nova espécie.

A trifecta

Embora a pesquisa genética sugerisse que os orangotangos Tapanuli eram distintos, não foi até que um esqueleto se tornasse disponível (de um orangotango masculino chamado Raya que foi baleado por residentes em 2013 e morreu aos cuidados da SOCP oito dias depois) e mostrasse significativas diferenças morfológicas para que os cientistas considerassem se tratar de uma nova espécie.

“Essa foi a arma fumegante que estávamos esperando”, diz Krützen. “Descrever uma nova espécie é como ir a um tribunal, sem uma lista predeterminada do que é necessário”. Mas, considerando as evidências genéticas, morfológicas e vocais juntas, “esse era o padrão ouro”.

Em 2 de novembro de 2017, toda a equipe anunciou sua descoberta em um artigo intitulado “Evidência Morfométrica, Comportamental e Genômica para uma Nova Espécie de Orangotango”. Os 37 co-autores delinearam as evidências genéticas, morfológicas e vocais que justificaram seu achado.

“Foi um enorme esforço colaborativo”, diz Krützen.

Perigos para este primata já criticamente ameaçado

No momento em que as notícias surgiram sobre o orangotango Tapanuli, ele já estava sob ameaça.

A preocupação mais imediata é uma usina hidrelétrica de 510 megawatts planejada pela firma indonésia PT North Sumatra Hydro Energy (NSHE). Esse projeto de US $ 1,6 bilhão, financiado pelo Banco da China e construído pela estatal chinesa Sinohydro, ocupará cerca de 650 hectares de terra ao longo do rio Batang Toru, no distrito de South Tapanuli. O projeto envolve um reservatório, vertedouro, pedreira, acampamento, acesso rodoviário e outras instalações, como túneis, estação de energia e linhas de transmissão.

Conservacionistas dizem que infra-estruturas como estradas e túneis irão atravessar florestas primárias acidentadas que contêm as maiores densidades populacionais de orangotangos Tapanuli.

“Este é um dos últimos remanescentes da paisagem de menor elevação”, diz Nowak. “Há uma razão pela qual as densidades de orangotangos são altas nesta área.

“Normalmente, à medida que você sobe em altitude, os recursos alimentares preferidos dos orangotangos começam a diminuir e as populações não podem ser mantidas em altas densidades. Como tal, os orangotangos preferem elevações baixas ”, diz ele. “A maior parte do ecossistema de Batang Toru está a mais de 800 metros [2.625 pés] acima do nível do mar (ou seja, floresta submontana). Enquanto a espécie é capaz de existir nessas áreas, ter a capacidade de se mover entre as áreas de planalto e planícies é fundamental para uma população de orangotangos saudáveis ​​”.

O porta-voz da NSHE, Firman Taufick, contesta preocupações sobre o impacto do projeto nos orangotangos. “A área do projeto não é o habitat primário do orangotango”, diz ele, citando estudos realizados em 2017 e 2018 pelo centro de pesquisa ambiental Aek Nauli e pela agência de conservação da administração provincial do Norte de Sumatra.

Taufick também diz que o túnel que transporta a água da turbina de volta ao rio foi projetado para ser de 50 a 200 metros (165 a 655 pés) no subsolo. “Portanto,” ele diz, “não há desmatamento acima do túnel para evitar a fragmentação do habitat.” Ele também diz que a estrada de inspeção é construída paralela ao Rio Batang Toru, que já é uma divisão natural entre os habitats ocidentais e orientais. 

“Este projeto é feito para evitar nova fragmentação”, diz ele. “Portanto, não há túnel nem estrada que degrade a floresta primária.” Ele também diz que a estrada fornece apenas “acesso limitado diretamente ao local do projeto” e que a empresa adotou “uma política de tolerância zero” para extração ilegal de madeira. a posse e caça de animais.

Taufick diz que a NSHE adotou os padrões da International Finance Corporation (IFC) para a biodiversidade.

No entanto, os padrões da IFC deixam bastante espaço para flexibilidade. Eles afirmam que os impactos sobre a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos devem ser evitados, mas quando isso não for possível, medidas de mitigação devem ser implementadas. Os padrões também fazem concessões para mitigação que não funcionam, sugerindo que as medidas devem mudar em resposta às mudanças de condições e monitoramento.

Muitos cientistas e conservacionistas sugerem que essas medidas são inadequadas para lidar com o impacto negativo e permanente deste projeto no habitat do orangotango.

Em junho de 2018, uma equipe da Universidade James Cook e da Universidade da Indonésia publicou um estudo na Current Biology que estimou que o impacto do projeto hidrelétrico se estenderia muito além de seu reservatório e alteraria cerca de 8% do alcance remanescente do orangotango Tapanuli.

Ian Singleton, diretor do Programa de Conservação do Orangotango de Sumatra, diz que, embora os desenvolvedores afirmem que a barragem é pequena, “a infraestrutura é enorme e terá um impacto irreversível nesses orangotangos”.

Ele diz que a construção vai abrir ainda mais a floresta e aumentar as oportunidades para as pessoas se instalarem na área, limpar mais terras e caçar. Isso, por sua vez, aumentará a probabilidade de conflitos entre pessoas e orangotangos – uma situação que, segundo ele, raramente termina bem para os orangotangos, como Raya.

Fredriksson, o coordenador Tapanuli do SOCP, concorda que as consequências são sérias. Há tão poucos orangotangos Tapanuli que “esta espécie não pode se dar ao luxo de perder poucos indivíduos”.

Orangotangos se reproduzem muito lentamente. Os orangotangos de Sumatra possuem o maior intervalo entre os nascimentos de qualquer mamífero. As fêmeas dão à luz pela primeira vez quando têm cerca de 15 anos e depois voltam a reproduzir-se a cada oito ou nove anos. Dada a sua expectativa de vida de 50 a 60 anos, isso significa que eles terão apenas quatro a cinco bebês durante sua vida.

Ainda mais problemático, dizem os conservacionistas, é que o desenvolvimento da energia hidrelétrica ameaça fragmentar ainda mais as florestas já dissecadas onde vivem os orangotangos Tapanuli. A espécie é dividida em três subpopulações: uma de menos de 600, outra de cerca de 150 e uma terceira de algumas dúzias. Ao cortar seu habitat já limitado, isso impedirá a capacidade dos orangotangos de se mover entre vários blocos florestais e também de cortar permanentemente sua capacidade de interagir. Os conservacionistas temem que condenem os dois grupos menores, já que não conseguiriam manter níveis seguros de diversidade genética. Para ser sustentável a longo prazo, os cientistas sugerem que 500 ou mais indivíduos são necessários em uma população.

“Se não conseguirmos conectar os dois grupos menores ao maior, eles desaparecerão”, diz Singleton. “Eles não são grandes o suficiente.”

Em agosto de 2018, o Fórum Indonésio para o Meio Ambiente (Walhi) apresentou um desafio legal ao projeto hidrelétrico, argumentando que a licença ambiental do governo de Sumatra do Norte deveria ter considerado seus impactos potenciais na vida selvagem e outros (incluindo impactos no rio, comunidades e o grave risco de danos causados ​​por terremotos, uma vez que a represa está programada para ser construída no vale do Rift de Sumatra). Um veredicto no caso é esperado no dia 4 de março.

No entanto, os relatórios sugerem que, a partir do início de maio de 2018, 50 hectares (124 acres) já foram limpos em preparação para a construção do projeto.

“Já começou”, confirmou Singleton. “Eles construíram uma estrada até o rio e limparam áreas para despejar o lixo [do túnel].”

Com apenas 800 orangotangos Tapanuli permanecendo em estado selvagem, há pouco espaço para erros – e esforços precisam ser feitos para garantir a sua existência, e não apressar sua morte.

Fonte: Mongabay

Parte 1 – https://news.mongabay.com/2019/02/what-does-it-take-to-discover-a-new-great-ape-species/

Parte 2 – https://news.mongabay.com/2019/02/new-species-of-orangutan-threatened-from-moment-of-its-discovery/