Notícias

Empurrado para a beira da extinção

Postado em 15/09/2017


Menos de 6000 chimpanzés Nigéria-Camarões vivem nas florestas (Fonte: National Science Foundation, USA)

Por Abhijit Mohanty/Down to the Earth

Os chimpanzés, que compartilham cerca de 98 por cento de seus genes com os humanos, estão caminhando rapidamente para a extinção. Entre as subespécies mais raras está o chimpanzé Nigéria-Camarões – menos de 6.000 vivem nas florestas ao norte do rio Sanga nos Camarões e no sudoeste da Nigéria. Foi classificado como uma espécie criticamente ameaçada pela União Internacional da Conservação da Natureza (UICN), e, se medidas urgentes não forem tomadas, cientistas afirmam que se tornará extinto em menos de duas décadas.

As ameaças à sua existência são muitas. Nas partes mais secas de sua área de habitat, como o Parque Nacional Mbam Djerem e as Terras Altas de Bamenda, nos Camarões, e Gashaka Gumti e Mambilla na Nigéria, os pecuaristas incentivaram os incêndios florestais para fornecer mais pastagens para o seu gado, que posteriormente são convertidas em terras agrícolas. A destruição do habitat aumentou os impactos de ruído, forçando os chimpanzés Nigéria-Camarões a se mudarem para áreas ocupadas por outras comunidades de chimpanzés, onde enfrentam agressão e resultando em mortes.

Os biólogos de conservação Jennifer Arubemi Agaldo, Gwom Thomas Gwom e Paul Tersoo Aperverga realizaram uma pesquisa em 2011-2012 e descobriram áreas de habitat repletas de cartuchos de armas usados, armadilhas e árvores registradas. Isso indica que os chimpanzés estão sob séria ameaça das atividades de caça e caça furtiva, e a presença de madeira registrada indica destruição e degradação do habitat.

Bushmeat e habitats

As ameaças à sua sobrevivência ficam ainda mais intensas pelo rápido crescimento da população humana. À medida que a população humana cresceu de forma constante tanto nos Camarões como na Nigéria, a facilidade de obtenção de armas, sistemas de transporte mais eficientes e incentivos financeiros mais elevados para abastecer mercados urbanos com “carne de animais selvagens” e outros produtos florestais levaram a uma situação em que partes de terra ficaram sem vida selvagem e muitas vezes também sem sua cobertura florestal. A caça de chimpanzés para abastecer o mercado da “bushmeat” e, em menor grau, proporcionar partes do corpo para a medicina tradicional, é uma das maiores ameaças à sua sobrevivência.

“Nos últimos anos, a caça à carne para comer (bushmeat), que já foi uma atividade de subsistência, tornou-se fortemente comercializada e grande parte da carne é destinada a residentes urbanos que podem pagar os preços premium”, diz Kari Jackson, que lidera a SURUDEV, uma ONG em Camarões que trabalha com as comunidades na conservação da biodiversidade. Curiosamente, muitas das carcaças encontradas nos mercados nigerianos do leste vêm dos Camarões, mas são negociadas na Nigéria, onde a carne dos animais obtém preços mais altos.

Imagens de satélites mostram que mais de 3.000 hectares (ha) de floresta tropical que fazem fronteira com a Reserva Dja Faunal na região Sul de Camarões foram destruídos. A floresta limpa, que foi até recentemente o habitat dos gorilas, chimpanzés e mandrills da região oeste, foi dada a uma empresa chinesa para plantações de óleo de palma – mesmo estando localizada na Reserva Dja Faunal, classificada como “Patrimônio Mundial da UNESCO”.

Em 2009, um ministro dos Camarões concedeu um contrato de arrendamento de 99 anos a mais de 73 000 ha de terra para Herakles Farms, uma empresa americana de óleo de palma e madeira. Embora as leis de posse da terra proíbissem o arrendamento de terras de mais de 40 ha, um decreto presidencial foi obtido em 2013 – quatro anos depois que a Herakles chegou aos Camarões – para facilitar as operações. Com sede em Nova York, a Herakles Farms afirmou que seu projeto de óleo de palma na região Sudoeste dos Camarões cultivaria em uma área de pouco valor de conservação.

Mas um estudo recente da Universidade Dschang nos Camarões, em colaboração com a Universidade alemã de Gottingen e apoiado pelo Greenpeace International, o Save Wildlife Conservation Fund da Alemanha e WWF Alemanha, indica que essa reivindicação prejudica a rica biodiversidade da área. Ele diz que a empresa planeja converter as áreas vizinhas em plantações de óleo de palma, o que significa que os habitats cruciais usados ​​pelos chimpanzés e outros animais ameaçados serão eliminados. “Nossa pesquisa mostra que a área é de alto valor de conservação, enquanto algumas partes podem até atuar como um santuário de chimpanzés”, diz Kadiri Serge Bobo, da Universidade Dschang. A destruição dos habitats fragmentou as populações de chimpanzés, e as que permanecem são pequenas e estão isoladas.

Esforços comunitários

Na última década houve uma preocupação crescente de salvar e proteger essas espécies ameaçadas, especialmente entre algumas organizações sem fins lucrativos, com o apoio de agências internacionais, que desempenham um papel crucial para envolver as comunidades locais em projetos baseados em conservação da vida selvagem. Por exemplo, o SURUDEV trabalha com as comunidades locais na Reserva Florestal de Kom-Wum. “Nós estabelecemos Comitês de Proteção Florestal na aldeia, que treinam os membros e as pessoas locais sobre a importância das florestas, proteção da vida selvagem e a regeneração da cobertura florestal”, diz Jackson.

Embora esses esforços de conservação tenham criado um ambiente favorável, isso é apenas uma gota no oceano. Ações pragmáticas são
necessárias para proteger os grandes primatas já mais ameaçados. Além disso, pesquisa de conservação é uma condição para orientar as iniciativas na direção certa e alcançar a sustentabilidade. Ao identificar os fatores ecológicos que influenciam a distribuição, os padrões variáveis e os requisitos básicos de habitat, é possível identificar habitats adequados de chimpanzés. “Os governos precisam desenvolver urgentemente um processo participativo de planejamento do uso da terra antes da alocação de concessões industriais. Os projetos que estão sendo desenvolvidos sem uma participação adequada da comunidade não devem ser permitidos “, diz Filip Verbelen, da Greenpeace International. “Se as estratégias pró-ativas para mitigar os efeitos da conversão do habitat em larga escala não forem implementados em breve, podemos esperar um declínio rápido na diversidade de primatas africanos”, diz Joshua Linder, professor assistente de antropologia da Universidade James Madison, Virgínia, EUA.

Fonte (em inglês)http://www.downtoearth.org.in/news/last-shots-58656#.Wb40ey_VGCs.facebook