Notícias

Sobre beagles e cantigas de ninar

Postado em 05/11/2013

SUBBeagles3b
Divulgação

“Boi, boi, boi, boi da cara preta, pega essa menino que tem medo de careta”. Muitos adultos de hoje foram colocados para dormir ouvindo essa cantiga de ninar, que pelo visto se enraizou em muitas mentes, pois ainda hoje muitos acreditam nela. Contudo, o “Boi da cara preta” foi substituído por outro bicho-papão ainda mais malvado: o câncer, a diabetes, a hipertensão e a epilepsia. E pelo visto a cura de todos esses males só pode ser obtida pela tortura de beagles fofinhos, coelhos peludinhos ou mesmo ratinhos branquinhos.

Aparentemente a libertação dos beagles aprisionados no Instituto Royal desencadeou um medo infantil na cabeça de adultos inteligentes, fazendo-os relembrar e acreditar em historinhas para ninar crianças.

Pelo que vem sendo divulgado pela mídia e inacreditavelmente aceito por diversos adultos inteligentes, muitos deles militantes e defensores de diversas outras causas nobres, a libertação de 178 beagles do Instituto Royal teria interrompido uma década de estudos promissores para a cura do câncer e de diversos outros males que assolam a humanidade, que em breve seriam revelados e pílulas mágicas e salvadoras, com sabor de chocolate e sem calorias, seriam distribuídas de graça para todos os seres humanos. Não fossem os bobos e feios vândalos malvados sem coração que os libertaram, em pouco tempo estaríamos todos vivendo felizes e saudáveis em Passargada.

Interessante notar que esses 178 beagles, que eram a chave para a cura de grande parte das moléstias que afligem a humanidade e que nos conduziriam ao “Paraíso” na Terra, estavam aprisionados em um prédio sem qualquer vigilância noturna, seja de veterinários, pois alguns eram hipertensos, diabéticos ou mesmo epiléticos, ou de seguranças fortemente armados para protegê-los de qualquer eventualidade, como o ataque desses ativistas bobos e feios.

“Boi, boi, boi, boi da cara preta, …”

Também é interessante notar que nos EUA, somente em experimentação científica, milhões de animais são mortos todos os anos. Se nossos 178 beagles poderiam curar o câncer, a diabetes, a hipertensão e a epilepsia, lá então seria uma espécie de Shangrilá da vida saudável e praticamente não existiriam doenças. Infelizmente, na vida real, ao contrário do que se poderia esperar face ao número de animais mortos em experiências científicas, mais de um milhão de americanos morrem todos os anos, vitimas de doenças crônicas evitáveis – os já citados: câncer, diabetes, hipertensão e doenças cardíacas. E toda essa epidemia de obesidade e diabetes está diretamente associada ao consumo, desnecessário e exagerado, de outros bilhões de animais que são anualmente torturados e mortos para servir de alimento às milhares de pessoas que serão acometidas por essas doenças e morrerão no ano que vem. Esta pode ser a primeira geração de americanos, na qual os filhos morrerão antes de seus pais.

Pelo visto, as pílulas coloridas não têm surtido muito efeito por lá. Mas nossos 178 beagles eram muito melhores.

“Boi, boi, boi, boi da cara preta, …”

Quando surgiram as primeiras suspeitas sobre os maus-tratos que pretensamente aconteciam no interior do Instituto Royal, que no ano passado recebeu mais de R$5.000.000,00 de verbas públicas, ao invés de esclarecerem aos bárbaros cidadãos pagadores de impostos defensores dos animais, que os 178 beagles não sofriam maus‑tratos – como se uma vida inteira preso em uma jaula azulejada, repletas de fezes e urina, sendo utilizado como cobaia de “sabesseláoque” fosse a definição de bem estar animal – e que eles eram a chave para a cura do câncer, da diabetes, da hipertensão e da epilepsia, fato que facilmente acabaria com o impasse e transformaria o referido Instituto em local de devoção e respeito, fez-se o silêncio, que só foi maculado pelo choro de alguns beagles que lá eram cativos, sem qualquer pessoa para lhes assistir, fato que acabou motivando a invasão e libertação dos 178 beagles e de alguns coelhos.

Obviamente leis foram descumpridas, pois se invadiu propriedade privada para de lá se retirar “bens” que pertenciam ao Instituto Royal, que segundo consta, trabalhava dentro da legalidade e seguia todas as normas existentes sobre a experimentação animal. Mas esse é exatamente o cerne da questão, a experimentação animal e suas normas! Mesmo sendo um pleno defensor do Estado Democrático de Direito, entendo que em certos momentos históricos de uma sociedade, a lei vigente não é mais suficiente e tem que ser quebrada, para que o próprio Estado Democrático de Direito evolua, como no caso em testilha. Já tivemos leis que permitiam a escravidão, a tortura e outras práticas hoje consideradas absurdas. Na Alemanha Nazista, era crime punível com a morte, prestar qualquer tipo de auxilio a qualquer judeu, mesmo que fosse uma criança doente ou gravemente ferida.

O comunicado oficial do Instituto Royal prega que se você um dia já tomou uma aspirina, um remédio para pressão ou um anti-gripal, então você é um dos milhões de beneficiários da pesquisa científica que vem sendo desenvolvida no mundo com a morte de milhões de animais todos os anos. Os senhores de escravo também diziam que se você já tivesse bebido um cafezinho com açúcar, então você era um dos milhões de beneficiários da escravidão, pois o café e o açúcar não poderiam ser obtidos sem a utilização de trabalho escravo. Falácias semelhantes eram ditas pelos Nazistas para justificar as atrocidades que eram cometidas nos campos de concentração, eram ditas pela Inquisição para justificar que mulheres acusadas de bruxaria fossem torturadas e queimadas vivas em praça pública e ainda hoje tais falácias são proferidas por diversos governantes, que sempre justificam que todas as atrocidades cometidas contra um pequeno grupo, são para a sua proteção, para a proteção dos seus filhos e netos.

“Boi, boi, boi, boi da cara preta, …”

Defender os atos praticados no Instituto Royal é defender a obscuridade e a má utilização de dinheiro público. Se atrocidades têm que ser cometidas pelo bem público e ainda por cima, são pagas com dinheiro público, por mais óbvio que possa parecer, tudo tem que ser de conhecimento público. O que acontecia no interior do Instituto Royal? Quais pesquisas estavam sendo efetivamente realizadas? Quais doenças seriam efetivamente “curadas”? Por quais procedimentos os animais eram submetidos? Quem eram os membros dos Conselhos de Ética que autorizaram tais procedimentos? Quantos outros Institutos iguais a este existem no Brasil? Quantos beagles estão aprisionados? Quantos coelhos? Quantos ratos? Quantos animais são submetidos a essa prática por ano? Via de regra, a obscuridade no fornecimento de informações é mais condizente com atividades criminosas do que com atividades científicas para o bem comum.

Defender os testes em animais para o desenvolvimento de possíveis novas drogas, que serão vendidas por valores extorsivos, é defender uma indústria que lucra bilhões de dólares com as mazelas dos seres humanos e com a morte de animais inocentes. É o mesmo que defender a indústria da carne, os agrotóxicos e os alimentos transgênicos, sob a falsa argumentação de que eles estão auxiliando a diminuir a fome no mundo. É defender o Nazismo e seus campos de concentração, pois muitas drogas novas e procedimentos médicos foram lá desenvolvidos.

É defender uma ciência ineficiente, refém de práticas antiquadas e ultrapassadas, onde os fins justificam os meios, quaisquer que sejam eles, sem qualquer valoração moral ou ética. É limitar o cientista, imponde-lhe restrições ao livre pensar e, ai sim, atrasar o surgimento de novas drogas e novas formas de testar sua eficácia. Aos cérebros mecanicistas e cartesianos, que acreditam que só existem duas opções – ou se testa em animais ou não se realizam mais pesquisas – rogo: libertem também suas mentes!

É defender a manutenção de um estilo de vida doentio em detrimento de hábitos saudáveis, pois a própria ciência moderna, cada vez mais tem reforçado a fundamental importância destes hábitos saudáveis para a manutenção de uma vida plena, muito mais do que o acreditar em drogas miraculosas.

É defender uma sociedade doentia que, de forma absurda e desnecessária, tortura e mata bilhões de animais todo o ano para se alimentar, que fica obesa e doente devido a esse hábito e que depois mata milhões de animais para tentar se curar. E milhões de seres humanos morrem todos os anos de doenças totalmente evitáveis, por pura ineficiência das políticas públicas de prevenção, em detrimento dos ineficazes procedimentos de cura, que geram lucros bilionários exatamente para as indústrias citadas.

É defender uma sociedade infantil e mimada, que mesmo sem comer os legumes e as verduras, ainda acredita que todos seus excessos serão curados por uma fadinha mágica que, antes que o fim chegue, trará uma pílula salvadora, com gosto de chocolate e sem calorias, que nos redimirá de todos os “pecados” e todos viveremos felizes e saudáveis para sempre.

Definitivamente, as futuras gerações, caso elas venham a existir, terão motivos de sobra para sentir absoluta vergonha dos nossos pretensos hábitos civilizados modernos e evoluídos.

No mais, comemoremos, pois motivos não faltam. Cada corrente quebrada, cada jaula esvaziada, cada vida cativa à qual se restitui a liberdade deve ser efusivamente comemorada e neste caso, 178 escravos, aprisionados pela nossa própria ignorância, foram libertados.

Mas não nos esqueçamos que ainda existem milhões, bilhões de animais inocentes aprisionados e cotidianamente torturados por motivos ainda mais banais e que alguns deles lhes serão servidos, mortos, já no café da manhã.

“A libertação animal é a libertação humana” (Peter Singer)

Carlos Magno Abreu

É vegetariano, quase vegano,

analista ambiental do IBAMA,

aluno de doutorado da UFF e autor do livro “O Brasil na Rota do Tráfico Internacional de Animais Silvestres – A História da Operação Boitatá e a Serpente de Um Milhão de Dólares”

http://www.amazon.com.br/Brasil-Tr%C3%A1fico-Internacional-Animais-Silvestres-ebook/dp/B00FP1P310/

http://somosunsbossais.blogspot.com.br/2013/11/sobre-beagles-e-cantigas-de-ninar.html

somosunsbossais@gmail.com

@somosunsbossais

Facebook somosunsbossais



+ Notícias

Após algumas semanas de preparação, deu-se início, hoje, 21, ao maior resgate individual que o Santuário de Primatas e Felinos [...]

21/10/2014

A Organização NEAVS, que alguns anos atrás lançou o Projeto R&R para libertar chimpanzés em laboratórios de tortura médica Norte-Americanos, [...]

16/10/2014

A medida que as florestas africanas desaparecem, a uma velocidade inusitada, as comunidades de chimpanzés de vida livre ficam mais [...]

16/10/2014

Texto do Primatólogo José María Bermúdez de Castro – Assessor Científico do Projeto Gran Simio (GAP/ PGS da Espanha) Se [...]

15/10/2014

O CONCEA (Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal) é um órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) [...]

14/10/2014

Veterinária(o) para residir no Santuário do GAP em Sorocaba, enviar curriculum vitae para o e-mail projetogap@projetogap.org.br   Equipe Projeto [...]

14/10/2014

PREJUDICIAL A HUMANOS E ANIMAIS Zoológicos tentam esconder a crueldade do cativeiro por trás de uma máscara de “educação para [...]

09/10/2014

Quinze anos atrás, quando entrei no mundo dos primatas não humanos, comecei a me desiludir dos zoológicos, que até esse [...]

08/10/2014

Cinco dos candidatos recomendados por organizações ambientalistas, que divulgamos neste site dias antes da eleição do dia 5 de outubro, [...]

07/10/2014

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) transferiu nesta quarta-feira (1º) sete tigres que viviam [...]

03/10/2014